São Paulo (Folhapress) – O presidiário César Augusto Roriz da Silva, de 39 anos, o Cesinha, um dos fundadores do PCC e inimigo de Marco Herbas Camacho, o Marcola, foi morto na manhã de ontem. Cesinha cumpria pena de 144 anos, seis meses e seis dias por sete roubos e sete homicídios. Soropositivo, ele estava na penitenciária de Avaré (262 km de São Paulo) e foi assassinado às 10h30 por estocadas de uma lança feita de madeira.

O autor do crime, segundo a SAP (Secretaria de Administração Penitenciária), foi Paulo Henrique Bispo da Silva. Ele confessou o assassinato, mas a polícia crê que ele seja um “lagarto’’ (preso obrigado a assumir a morte de alguém).

Cesinha fundou o PCC em 1993, ao lado de sete criminosos, no anexo da Casa de Custódia de Taubaté. O objetivo era “combater a opressão dentro do sistema carcerário’’. No fim de 2002, no entanto, a liderança dele e de José Márcio Felício, o Geleião, foi considerada “radical’’ por Marcola, que já vinha ganhando poder dentro da facção. Cesinha e Geleião foram destituídos e Marcola, segundo a polícia e a Promotoria, virou o líder do PCC.

Acusados de terem feito delações à polícia, Cesinha e Geleião -este, o único vivo dos oito fundadores- foram jurados de morte pelo PCC. Os dois, imediatamente, fundaram o TCC (Terceiro Comando da Capital), rival do PCC. Cesinha cumpria pena na penitenciária 1 de Sorocaba e foi transferido para a prisão de Avaré em 7 de julho. Avaré é dominada pelo PCC.

Nos primeiros meses deste ano, presos da penitenciária 1 de Sorocaba foram mortos por causa de uma guerra entre o PCC e o TCC. Homens do PCC tentaram matar Cesinha.

O secretário da Administração Penitenciária, Antonio Ferreira Pinto, foi procurado para explicar porque Cesinha, mesmo considerado inimigo mortal do PCC, foi transferido para uma unidade onde há domínio da facção. Ele não respondeu. Após o assassinato de Cesar Augusto Roriz, diretores de presídios do oeste paulista foram orientados pela SAP a iniciar “triagens’’ em unidades. O objetivo é separar ou limitar ao máximo o contato de integrantes das facções. A SAP prevê uma reação do TCC para vingar a morte de seu líder.