Padre voador faz escola na Índia
Depois do padre que tentou voar preso a bexigas, agora é a vez do indiano Shailendra Roy “cometer” uma aventura. Roy comunicou que pretende voar em um helicóptero pendurado por seus cabelos.

O indiano declarou sua próxima façanha logo após puxar, por 10m, um trem de 35 toneladas amarrado a seu cabelo por uma corrente. Roy disse que usa óleo de mostarda e arrasta carros e objetos pesados para fortalecer as madeixas.

O ‘queridinho’ dos investidores
“Terror dos mercados ao chegar ao poder, o ex-sindicalista Luiz Inácio Lula da Silva se tornou em cinco anos de presidência o queridinho dos investidores internacionais”, segundo os jornais europeus Tribune de Genève e Le Matin, destacando o aplomb populista do presidente: “Não sei pronunciar investment grade em inglês.” Mon Dieu…

TCU: Itamaraty deve adotar o euro
O Tribunal de Contas da União recomendou ao Ministério do Planejamento que estude com o Itamaraty a adoção do euro na elaboração do orçamento do Ministério das Relações Exteriores, que gasta 90% fora do território nacional quase todo em euros. Para o ministro Marcos Vilaça, autor da proposta, a depreciação do real frente ao dólar e a constante valorização do euro provocam distorções nos orçamentos de órgãos ou entidades que têm despesas em moeda estrangeira.

Grana na parada
Se puder escolher substituto como ministro da Previdência, Luiz Marinho prefere o ex-metalúrgico Carlos Grana, que não se perca pelo nome.

Santo forte
Luiz Marinho teme o favoritismo de Maurício Soares (PSB), na disputa pela prefeitura de São Bernardo. Mas confia em São Lula, o milagreiro.

De volta
O marqueteiro Duda Mendonça acertou com a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins (PT), e fará sua campanha de reeleição.

Epa!
A Universidade de Brasília, a do reitor com lixeiras de mil reais, vai gastar R$ 7,3 milhões para “modernizar” o campus, tombado pelo patrimônio.

Lula decide ‘antecipar’ 2010
Lula não quer ver, em 2010, a surpresa para ele desagradável do apoio do PMDB ao prefeito Gilberto Kassab (DEM), em São Paulo. Com a base aliada dividida, ele ficará fora da campanha de Marta Suplicy (PT). Lula disse ao presidente do PMDB, Michel Temer, que não deixará “correr frouxo”. Já no início de 2009, ele quer a base negociando candidatos de unidade aos governos estaduais, sintonizados com a chapa presidencial.