POR WELLINGTON RABELLO

Uma operação realizada nas primeiras horas da manhã de ontem, pelo Serviço de Inteligência da Polícia Militar, resultou na prisão de seis pessoas e na apreensão de um adolescente de 16 anos. Entre os presos estavam dois membros da tradicional quadrilha de traficantes conhecida como “Família dos Catitas”, que tem sua base instalada na Vila Brasil, área do São Bernardo, mas comanda o comércio ilegal de drogas em pelo menos mais cinco comunidades da capital maranhense há quase 20 anos.

A prisão ocorreu por volta das 7h na Rua Princesa Anastácia, na Vila Kiola, município de São José de Ribamar, em um sítio alugado pelo bando que servia de base para o tráfico de drogas naquela região. Foram presos Levi Vieira da Silva, o ‘Júnior Catita’, 25 anos; Joneilson Barbosa Pereira, o ‘Neném Catita’, 25 anos, irmão de criação de Júnior; Leandro Dutra Sousa, o ‘Léo’, 24 anos; e o adolescente de 16 anos.

Além do quarteto, também foram presas Mônica Alves Pereira, 19 anos; Graciela do Rosário Vale Costa, 23 anos; e Marcilene Azevedo Santos, 28 anos. Elas são mulheres de Neném Catita, de Léo e de Júnior Catita, respectivamente.

Todos foram capturados na mesma residência. Com eles foram apreendidos uma cartucheira calibre 36, um revólver calibre 38, sete celulares, uma porção de cocaína, R$ 22 e uma moto Honda Titan 125 branca, de placa HPI-7031. O bando foi conduzido para o 19° Distrito Policial, no Bairro do Jardim Tropical.

De acordo com os militares do Serviço de Inteligência, a busca pelos irmãos ‘Catitas’ e seu bando fazia duas semanas. Foi dito ainda que eles estavam em uma casa alugada no Residencial Lima Verde, mas se mudaram para a Vila Kiola onde estariam realizando a distribuição de drogas para traficantes da região. “Todos os acusados moram na Vila Brasil, mas estariam migrando para aumentar sua área de atuação. Chegamos até o bando graças às informações do Disque Denúncia (3223-5800), que tem sido uma ferramenta importante no combate ao tráfico de drogas em São Luís”, contou um membro do SI-PM.

Os irmãos ‘Catitas’ são acusados de tráfico de entorpecentes e de terem cometido vários homicídios, tendo Júnior Catita assassinado uma pessoa quando ele ainda era de menor idade. O pai deles está recolhido no Complexo Penitenciário de Pedrinhas, também sob a acusação do comércio de drogas.

Os três homens foram autuados pelo delegado Roberval Moraes, em flagrante, por tráfico de drogas, posse ilegal de armas e formação de quadrilha; já o adolescente seria encaminhado para a unidade da Funac, na Maiobinha. O delegado iria apurar qual o grau de participação das mulheres nas atividades do bando para decidir quais as providências tomaria em relação a elas.