Por Leandro Mazzini

Suprema geladeira


O professor de Direito Tributário da USP Heleno Torres entrou na geladeira do Planalto. A presidente Dilma ficou irritada com o vazamento da reunião em que o recebeu. Agora, ela vai entrevistar mais nomes. Embora torres seja o favorito, há pontos contra. Ganhou adversários na equipe econômica ao defender o pagamento do crédito do prêmio de IPI em empresas com litígio contra a União. E há exatos três anos, numa entrevista, criticou o ministro Ricardo Lewandowski, o novo queridinho do Planalto.

Memória
Na entrevista, Torres falou de decisão sobre o crédito do IPI no STF: 'Antes sequer de ter sido publicado o acórdão do STF, Lewandowski propõe Súmula Vinculante'.

Sentenciou..
E emenda: 'Se a Constituição exige reiteradas decisões sobre a matéria para justificar a Súmula, como é possível aplicar no caso onde sequer os acórdãos foram publicados?'

Balança dupla
A entrevista foi divulgada dia 14 de março de 2010 na revista Consultor Jurídico. O padrinho de Torres é o ministro da AGU, Luís Adams, que anda balançando no cargo.

Demanda
A indicação de Torres confirma demanda interna do STF, revelada pela coluna em Outubro: um tributarista, e do Nordeste. É que 30% dos processos da corte têm viés tributário. E com a saída do ministro Ayres de Britto da corte, a região, com nove estados, ficou sem representante no Supremo. Heleno Torres é pernambucano.

Boiada…
A decisão de José Batista Junior, do grupo JBS, de trocar o PSB pelo PMDB em Goiás a convite do vice Michel Temer tem tudo a ver com a lógica política-financeira. Há uma semana Temer vem falando com ele pelo telefone, mas não precisou gastar muito a voz.

… governista
A conta é simples: como explicar para a presidente Dilma que ele apoiaria Eduardo Campos, enquanto o BNDES desde o governo Lula injetou bilhões de reais para internacionalizar sua empresa?

Agências
O vice-presidente da Câmara, André Vargas, informa que no Paraná ocorre uma briga entre agências de propaganda, 'uma querendo derrubar a outra'.

Só agora?
Caiu a ficha do Mauro Benevides (PMDB-CE), que está na Política desde que Pelé jogava boleba: A reforma política (que não saiu) foi frustrante 'para a opinião pública'.

Está explicado
Do experiente Espiridião Amim (PP-SC), hoje deputado, sobre outra reforma política que não sai: 'Se você não consegue uma maioria em 40, vai conseguir em 513?'. Para ele, 'Colocou-se o carro numa estrada e os bois na outra'.

Maré braba
O Planalto colidiu com o líder do governo, senador Eduardo Braga (PMDB-AM), porque não aceita as imposições para a MP dos Portos. Braga disse que é obrigado a negociar com a oposição no Senado e na Câmara. A ministra Gleise Hoffmann chiou.

Remem! Remem!
Nos bastidores do Congresso, a certeza é de que a MP dos Portos deve ser aprovada para beneficiar o porto Açu, de Eike Batista, e a Embraportos, da Odebrecht. Com as mudanças, essa turma – financiadora do PT – correria risco.

'Dupla função'
Durante a sessão da Comissão de Direitos Humanos, o deputado Silvio Costa (PTB-PE) disparou: 'Aqui tem gays e evangélicos, mas tem alguns que acumulam os dois cargos'. Foi o único momento, até hoje, de descontração da turma.

Agenda
Eduardo Campos já faz agenda de estadista. O presidenciável do PSB volta hoje de encontro na Semana da Inovação nos Governos, evento do BID, em Washington.

Propaganda
O pastor Samuel Camara pagou banner no desembarque do Aeroporto de Brasília dando boas-vindas aos colegas para a maior convenção das Assembleias de Deus da História.

Do saber
Se o miniditador da Coreia do Norte resolve brincar na Copa e nos Jogos contra o Brasil, cadê o nosso sistema antimíssil?

Com Marcos Seabra, Maurício Nogueira e Adelina Vasconcelos

www.colunaesplanada.com.br – Siga no Twitter @leandromazzini
[email protected]