Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Estudantes maranhenses participam de feira brasileira de ciências

Com a participação de 12 estudantes da rede estadual de ensino do Maranhão, será aberta nesta terça-feira (17), a 7ª Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), em São Paulo. Eles defenderão seis dos 19 projetos que representarão o estado na maior feira de ciências e engenharia do país.

Com a participação de 12 estudantes da rede estadual de ensino do Maranhão, será aberta nesta terça-feira (17), a 7ª Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), em São Paulo.  Eles defenderão seis dos 19 projetos que representarão o estado na maior feira de ciências e engenharia do país.
 
A feira é promovida anualmente pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), por meio do Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI). A exposição, que acontece até o dia 21, contará com trabalhos finalistas de alunos do ensino fundamental, médio e técnico de todo os estados brasileiros.
 
O evento tem como objetivo estimular a cultura investigativa, de inovação e empreendedorismo na educação básica. Serão expostos 282 projetos finalistas selecionados dentre mais de mil desenvolvidos por alunos.
 
A feira será realizada em uma tenda de 2.200 metros quadrados instalada no bolsão da Escola Politécnica e deverá receber cerca de 12 mil visitantes. “Serão apresentados trabalhos das áreas de engenharia e ciências exatas e da terra, biológicas, da saúde, agrárias, sociais e humanas, que se destacaram por sua criatividade, rigor científico e inovação”, afirma a coordenadora geral da Febrace, Roseli de Deus Lopes, professora do Departamento de Sistemas Eletrônicos da EPUSP e diretora da Estação Ciência da USP.
 
Participação maranhense – Os representantes maranhenses são estudantes dos Centros de Ensino Edison Lobão, Graça Aranha, Dorgival Pinheiro de Sousa e Amaral Raposo, todos de Imperatriz. Eles embarcaram no último sábado (14), acompanhado de seis professores.
 
Durante a realização da Febrace, eles irão expor os projetos: A utilização da cássia fistula na dermatologia; Análise físico-química e bacteriológica da água de poço (pensando, pesquisando e fazendo acontecer); Engenharia laboratorial: construindo equipamentos laboratoriais alternativos; Fibra do buriti: uma alternativa ao isopor; Caracterização físico-química do “carvão ecológico” produzido em Açailândia e Horticultura reciclável: essencial para a vida.
 
O incentivo a inovação tecnológica voltada para os alunos do ensino médio faz parte das ações dos objetivos do Governo do Estado, executadas por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema).
 
Para o representante da Fapema na região tocantina, Manuel de Oliveira Dantas, esse trabalho resulta de uma exaustiva campanha de conscientização, em sintonia com as políticas e ações estratégicas da Fapema. “Hoje temos um núcleo de pesquisa formado por jovens cientistas que, em breve, atingirão os degraus do ensino superior, podendo desta forma expandir mais seus dons científicos”, afirma.
 
A Fapema, como órgão de fomento e agente de desenvolvimento do Maranhão, vem ampliando sua política de expansão com a implantação de escritórios regionais em diferentes cidades como Imperatriz, Caxias, Balsas e Chapadinha, destacando o crescimento tecnológico e científico dos jovens estudantes maranhenses. (Do Governo do Estado)

Carregando