Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Grupos de direitos humanos festejam mudanças entre EUA e Cuba

O grupo de defesa dos direitos humanos, Human Rights Watch (HRW), comemorou o anúncio feito nesta segunda-feira pelo presidente americano, Barack Obama, sobre o final de algumas restrições impostas por aquele país a Cuba. Para a organização, a mudança rompe com uma “política ineficaz e injusta”, mas ainda é insuficiente.

O grupo de defesa dos direitos humanos, Human Rights Watch (HRW), comemorou o anúncio feito nesta segunda-feira pelo presidente americano, Barack Obama, sobre o final de algumas restrições impostas por aquele país a Cuba. Para a organização, a mudança rompe com uma "política ineficaz e injusta", mas ainda é insuficiente.

"Se o presidente Obama fala sério sobre impulsionar uma mudança em Cuba, esse decreto precisa ser parte de uma estratégia mais ampla que ponha fim à postura unilateral dos EUA em relação ao governo cubano", afirmou o diretor da HRW latina, José Miguel Vivanco. Para ele, os EUA "só poderão acabar, gradualmente, com a máquina repressora de [Fidel] Castro se colaborar com aliados na América Latina e Europa".

O diretor ainda emendou um pedido para que o Congresso americano "aproveite a chance de conceder a todos os americanos o direito de viajar a Cuba".

O Nova Rede Democrática (NDN, na sigla em inglês), por sua vez, classificou a medida como "audaciosa e inteligente", mas também disse esperar que este tenha sido "um primeiro passo dos muitos a serem dados para ajudar o vizinho a efetuar uma transição para uma sociedade democrática e aberta".

Francisco Hernandez, chefe do grupo de exilados da Fundação Nacional Cubana-Americana, também comemorou o anúncio. Ele considerou que as mudanças dão mais independência aos cubanos "não apenas economicamente mas também em termos de informação e contato com o mundo exterior". (Da Folha Online, com informações da Efe)

Carregando