Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Objetos resgatados em área de busca do voo 447 chegam ao porto de Recife amanhã

Os comandos da Marinha e da Aeronáutica informaram na noite deste sábado que novos destroços e objetos pessoas resgatados na área de busca do voo 447 devem chegar amanhã (14) no porto de Recife (PE).

Os comandos da Marinha e da Aeronáutica informaram na noite deste sábado que novos destroços e objetos pessoas resgatados na área de busca do voo 447 devem chegar amanhã (14) no porto de Recife (PE). O Airbus caiu no oceano Atlântico no último dia 31, com 228 pessoas a bordo, após decolar do Rio com destino a Paris.

Segundo os militares, os objetos ficarão a disposição dos franceses, responsáveis pela investigação. A Air France seria legalmente responsável pelos objetos, mas um acordo com a aeronáutica francesa passaram a responsabilidade para o órgão.

Também amanhã, o embaixador francês Pierre-Jean Vandoorne deve se reunir com o comando brasileiro para discutir detalhes sobre o trabalho de busca. Segundo os militares brasileiros, o encontro está marcado para as 15h30 no Cindacta-3 (Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo), em Recife (PE).

Hoje, o embaixador se reuniu com cerca de 20 famílias de passageiros que estão hospedadas no hotel Guanabara, no centro do Rio. Neste encontro, o embaixador afirmou que a Air France está emitindo atestados de presença no voo 447 para os parentes dos passageiros do Airbus A330.

Vandoorne explicou que o documento comprovando a presença dos passageiros no voo pode acelerar o pedido do atestado de óbito e a entrada com processos cíveis.

Destroços

Os primeiros destroços do Airbus-A330 que fazia o voo 447 da Air France recolhidos no mar não contêm sinais de chamuscamento ou de ação de fogo. As 37 peças, resgatadas e apresentadas ontem em Recife, estão dilaceradas, em pedaços de no máximo 3 metros de comprimento.

Segundo especialistas, a condição do material apresentado, aliada ao estado dos corpos já encontrados –com sinais de fraturas e nenhum deles carbonizado–, fortalece a tese de que não houve explosão no ar, pelo menos em parte do avião.

Hoje, uma nova peça foi localizada por um navio de Antígua e Barbuda que navegava a uma distância de cerca de 415 quilômetros a noroeste do arquipélago de São Pedro e São Paulo. De acordo com os militares, a peça, considerada de médio porte, permanece a bordo do navio e ainda não há previsão para que seja entregue para as autoridades brasileiras. (Da Folha Online)

Carregando