Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Socorrão II reabre pediatria com Acolhimento de Classificação de Risco

A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) reabriu a ala pediátrica do Hospital Dr. Clementino Moura – o Socorrão II, após 15 dias de reforma.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) reabriu a ala pediátrica do Hospital Dr. Clementino Moura – o Socorrão II, após 15 dias de reforma. O espaço foi totalmente readequado para a nova modalidade de atendimento da unidade de urgência e emergência: o Acolhimento de Classificação de Risco (ACR).

A pediatria recebeu divisórias, pintura, equipamentos e um teto novo. Os recursos para a reforma foram da própria Prefeitura de São Luís. Na reabertura ao público, a ala pediátrica iniciou a triagem dos casos mais graves.

“Hoje, a nossa pediatria se adequou ao ACR e passou a atender apenas quem faz parte do seu perfil, ou seja, pequenas urgências e grandes emergências em crianças de zero a 13 anos”, explicou o diretor geral do Socorrão II, médico Arthur Serra Neto, acrescentando que, em média, o hospital recebe de 70 a 100 crianças por dia na ala pediátrica.

Para a dona-de-casa Clementina Leite, 55 anos, que levou ao hospital a neta R.G.L, de três anos, a mudança valeu a pena. “O atendimento melhorou muito. Hoje só estão aqui, na pediatria, os casos mais urgentes, como a minha neta que fraturou o braço quando caiu da cadeira lá em casa. Se fosse em outro tempo, a gente ia esperar bem mais pelo atendimento”, disse.

O diretor do Socorrão II ressaltou que, após a triagem das urgências e emergências, os demais casos que chegam à pediatria são encaminhados para outras unidades de saúde da rede municipal que tratam de crianças. “Temos mais de 90 unidades de saúde no município à disposição do usuário, de acordo com a sua necessidade. Fazemos os encaminhamentos levando em conta cada caso e a localidade onde moram os pacientes. Buscamos sempre enviá-los o mais próximo de suas residências. Algumas vezes isso é impossível, mas, na maioria, conseguimos atender a essas duas premissas”, explicou Serra Neto.

Carregando