Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Prefeitura de São Luís realiza primeira fase da obra do Canal do Coroado

A Prefeitura de São Luís realiza a primeira fase da obra de ampliação e retificação do Canal do Coroado.

A Prefeitura de São Luís realiza a primeira fase da obra de ampliação e retificação do Canal do Coroado. A intervenção, orçada em R$ 4 milhões e 800 mil (R$ 4.800.000), resolverá os transtornos com alagamentos no local e garantirá mais qualidade de vida aos moradores da região.

Segundo o secretário municipal de Projetos Especiais, Francisco Barros, os primeiros serviços realizados consistiram, inicialmente, na limpeza da área do canal, verificação topográfica do terreno e sondagens complementares do solo. “O canal será todo limpo, saneado, drenado e coberto”, afirmou.

O engenheiro da Secretaria Municipal de Projetos Especiais (Sempe), Paulo Lima, informou que a primeira frente de trabalho conta com 30 homens e envolve a implantação do trecho intermediário, paralelo ao Canal, entre a Avenida dos Africanos e a Rua Almeida Garret, no Coroado.

De acordo com ele, já foi feito um trecho de 50m (seção 2m de altura e 6m largura), onde foram realizadas a escavação e preparo do solo – regularização com pedra rachão – para a colocação da ‘armadura’ (formas), a concretagem da laje de fundo, paredes laterais e cobertura.

“A meta é fazer a travessia da Avenida dos Africanos antes do período chuvoso para que, até lá, já seja possível dar escoamento às águas pluviais a fim de que não haja alagamentos. Com a intervenção, os fluidos poderão escoar livremente, sem acúmulo de lixo, eliminando os transtornos e gerando qualidade de vida para a população”, assinalou Paulo Lima.

A segunda frente de trabalho, que vem do Rio das Bicas no sentido da Avenida dos Africanos (trecho jusante), deve ser iniciada a partir da próxima semana. “Nosso objetivo é antecipar o máximo possível o prazo de execução da obra”, contou o engenheiro.

Prolongamento Pelo projeto executivo, o Canal do Coroado, que vem dos bairros do João Paulo e Filipinho, será ampliado até o Rio das Bicas, passando pela Avenida dos Africanos. O trecho prolongado terá 354,2 metros de extensão com 2m de altura e 6m largura, feito com material de concreto, e a canalização em gabião (caixa de forma prismática retangular).

A obra, esperada há mais de 20 anos pela comunidade, beneficiará 15 mil pessoas de bairros adjacentes ao Canal, entre Coroado, Filipinho e João Paulo. De acordo com técnicos da Sempe, haverá também uma rede interceptora que fará a coleta do esgoto e o canalizará até a estação de tratamento do Bacanga.

Paralelo a isso, segundo Francisco Barros, a região ganhará um conjunto de ações que inclui urbanização e paisagismo com uma praça e um calçadão para passeio. O projeto, que está em fase de elaboração, será executado na etapa final da obra.

O programa Dos US$ 59,4 milhões orçados para todo o programa Bacanga, o Banco Mundial financiará 60% (US$ 35,6 milhões) e a Prefeitura de São Luís entrará com a contrapartida dos 40% (US$ 23,7 milhões). Ele está centrado em três eixos: desenvolvimento econômico local e fortalecimento da gestão municipal, melhorias de água e esgoto e melhorias urbanas e ambientais.

Os primeiros contratos para a execução do Programa Bacanga começaram a ser assinados no primeiro semestre deste ano. Em maio, João Castelo firmou, no Palácio La Ravardière , contrato com o consórcio vencedor da licitação para a elaboração do Plano de Desenvolvimento Econômico Local de São Luís (DEL), no âmbito do Programa Bacia do Bacanga, em parceria com o Banco Mundial, por meio das secretarias municipais de Planejamento (Seplan) e Extraordinária de Projetos Especais (Sempe).

O programa visa à recuperação ambiental da Bacia do Bacanga e a um amplo conjunto de ações que vai gerar urbanização e melhoria da qualidade de vida a uma população de 238 mil pessoas, beneficiando 45 bairros da região.

Carregando