Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Secretaria de Segurança transfere dez detentos para presídios federais

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) transferiu, no inicio da manhã desta quinta-feira (30), dez presos do Sistema Prisional do Maranhão para dois presídios federais de Segurança Máxima.

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) transferiu, no inicio da manhã desta quinta-feira (30), dez presos do Sistema Prisional do Maranhão para dois presídios federais de Segurança Máxima. Eles embarcaram em avião da Polícia Federal, sob o acompanhamento e a segurança de policiais e agentes penitenciários federais, encaminhados ao estado pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen) do Ministério da Justiça (MJ).

Do total de presos transferidos, sete foram para a Penitenciária Federal de Catanduvas, no estado do Paraná e os outros três, para o Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande, no estado de Mato Grosso do Sul.

Todos os detentos que embarcaram são considerados de alta periculosidade pelos crimes cometidos e também por terem praticado atos violentos dentro das unidades prisionais, e inclusive alguns já estavam em trâmite processual para serem transferidos.

A transferência, segundo disse o secretário de Segurança Pública, Aluísio Mendes, é para evitar que aconteça algum motim e rebelião ou algum crime dentro das unidades prisionais do Estado, de acordo com o entendimento do Ministério da Justiça e a SSP.

A determinação é que o preso que cometer algum um ato de violência dentro das unidades prisionais seja imediatamente responsabilizado e transferido para presídios federais, conforme convênio firmado com o Depen, que disponibilizou um total de 50 vagas para o Sistema Prisional do Maranhão.

Outros vinte detentos já haviam sido levados para o Presídio Federal no estado do Mato Grosso no mês de novembro. A secretaria adjunta de Administração Penitenciária (SAAP) informou que está analisando a transferência de mais 10 internos, em data ainda a ser confirmada juntamente com o Depen e a Vara de Excecuções Criminais e Penas Alternativas.

Carregando