Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Restart nega ter plagiado One Direction: “Picuinha”

Neste domingo (5), o quarteto paulistano Restart vai mostrar que seu pop rock está cada vez menos colorido. A banda estreia turnê em São Paulo, com três novas canções, adianta o vocalista e guitarrista Pe Lu, em entrevista. “Fim do Mundo” tem levada eletrônica e “Renascer” é descrita como uma balada hard rock. Essas duas […]

Pe Lanza, Pe Lu, Thomas e Koba começam turnê do Restart. (Imagem: Divulgação/Eduardo Orelha)

Pe Lanza, Pe Lu, Thomas e Koba começam turnê do Restart. (Imagem: Divulgação/Eduardo Orelha)

Neste domingo (5), o quarteto paulistano Restart vai mostrar que seu pop rock está cada vez menos colorido. A banda estreia turnê em São Paulo, com três novas canções, adianta o vocalista e guitarrista Pe Lu, em entrevista. “Fim do Mundo” tem levada eletrônica e “Renascer” é descrita como uma balada hard rock.

Essas duas são inéditas, e a outra foi lançada na internet, com certa polêmica. “Cara de santa” (ouça a música) recebeu críticas em comentários no YouTube, Facebook e Twitter por ter arranjo que lembra o de “Kiss you”, do One Direction (ouça a música). Pe Lu elogia a boy band britânica e seu “trabalho muito fino”. “As pessoas querem sempre falar besteira da gente, fazer picuinha”, resume, ao falar dos detratores que o acusaram de plágio.

O que a turnê terá de novo e o que não muda, para que fãs não reclamem?

Pe Lu – O que tem de novo de principal são as três músicas novas. Duas delas ninguém nunca escutou. A gente reformulou o repertório: tiramos músicas e colocamos outras. O que não pode faltar são as que tocaram mais. “Levo comigo” é até hoje nosso sucesso. As pessoas iriam reclamar se tirássemos. As músicas que marcaram a carreira não vão sair nunca dos shows.

Uma das músicas novas é descrita por vocês como “balada hard rock”, “mais madura”. Quais bandas de hard rock vocês mais gostam? “Renascer” pode indicar um caminho ainda menos colorido para o Restart?

Pe Lu – Tem uma banda de hard rock que marcou muito nossa vida que é o Guns N’ Roses. Todos nós gostávamos. O Pê e Koba [baixista e guitarrista do Restart] se conheceram por causa da paixão pelo Guns. As bandas de hard rock se misturam com bandas de glam rock, Bon Jovi e Skid Row. Elas têm uma atitude de sexo, drogas e rock n’ roll. Mas o visual tem roupas extravagantes. O shortinho vermelho colado do Axl marcou, as bandanas também. Essas bandas são sisudas na atitude, mas não no visual. “Renascer” tem formato rock n roll. A gente gosta de arriscar. “Cara de santa” foi um risco que corremos. Ela é diferente de tudo que a gente tinha feito. Tem uma levada pop, mas é tocada por banda de pop rock.

“Fim do Mundo” é eletrônica. Como se encaixará no show?

Pe Lu – Ela tem um pop mais eletrônico, mais balada. O bacana é que somos uma banda e isso fica nítido no palco, mas a gente não se limita. Estamos sempre abertos. Temos músicas voz e violão; com guitarra distorcida; reggae; pop. O divertido de ser músico é flertar com todas as sonoridades. Foi um desafio fazer “Fim do mundo” em versão banda [ao vivo]. A gente teve que fazer uma versão diferente para o show. Ela ficou mais pesada, com mais guitarra, com bateria sempre presente. Ela não perde a energia. Ficou diferente da versão de estúdio.

Nos últimos meses, vocês são presença constante em eventos com artistas de vários gêneros. É assim em festivais, feiras, eventos como o do primeiro de maio em São Paulo, nesta semana. Como é tocar para um público que não é o mesmo dos shows do Restart?

Pe Lu – Passamos por muita situação como essas. Já tocamos no rodeio de Barretos e no dia não tinha artista parecido. Tocamos em festas, rodeios. É sempre bacana. Sempre tivemos uma receptividade legal, mesmo da galera que não era fã, não conhecia ou gosta de outro gênero. A gente arrisca vários gêneros, então, as pessoas gostam. A gente sempre acha que vai ser vaiado ou discriminado. Mas nos recebem bem. No primeiro de maio tocamos 9 da manhã para 20 mil pessoas. Quem não conhecia respeitou. Quem não gostava também. É o bacana dessas festas. Normalmente, o público recebe todo mundo bem.

No YouTube e em redes sociais há comentários de gente comparando “Cara de santa”, e “Kiss you”, do One Direction. Como recebe este tipo de crítica? Fala-se até em plágio. Até que ponto o One Direction foi influência, por fazer pop bem produzido?

Pe Lu – A produção do One Direction é um trabalho muito fino e bom. A influência vai até aí, de buscar um som pop. Escutamos os top que estão fazendo isso: One Direction, Lady Gaga, Rihanna, rappers americanos com uma produção bacana. O trabalho do One Direction é diferente do trabalho da Restart. Eles são uma boy band, cinco caras que não tocam e não têm formação de banda. As pessoas querem sempre falar besteira da gente. Querem fazer picuinha. Essencialmente, o One Direction não é uma influência forte. Se as pessoas estão comparando as produções, fico feliz. Ser comparado a coisas de alto nível é bacana.

(Fonte: G1)

Carregando