Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Criador do Viagra cria spray contra ejaculação precoce

Os testes clínicos foram feitos com 300 homens. Cerca de 90% deles foram capazes de retardar a ejaculação por mais de um minuto e 74%, por mais de dois minutos.

Foto: Reprodução

Depois de criar uma pílula contra a impotência, cientistas trabalham em um medicamento que promete combater a ejaculação precoce. O anúncio foi feito pelo professor Mike Wyllie, de 62 anos, que participou da invenção do Viagra e agora desenvolve um novo spray, capaz de permitir que a duração sexual dure até seis vezes mais. Os ensaios clínicos indicam um bom resultado em 85% dos casos, retardando em até seis minutos o momento da ejaculação.

Durante os testes, o spray Tempe levou cinco minutos para começar a fazer efeito, e sua ação perdurou por até duas horas. Estimativas indicam que a ejaculação precoce afete pelo menos um em cada quatro homens, podendo destruir relacionamentos.

– Estamos trabalhando há sete anos, a um custo de 65 milhões de libras (R$ 229 milhões), mas conseguimos encontrar a solução – disse Wyllie, à agência britânica de notícias Swns.com. – Nos ensaios clínicos, o ponto de ejaculação foi retardado por cerca de seis minutos, mas isto pode chegar a até oito minutos.

De acordo com o pesquisador, a satisfação das pessoas que participaram do teste foi tão grande que, em muitos casos, os participantes relutaram em devolver a medicação.

Os testes clínicos foram feitos com 300 homens. Cerca de 90% deles foram capazes de retardar a ejaculação por mais de um minuto e 74%, por mais de dois minutos. O percentual de participantes que relataram ter orgasmo de boa a ótima qualidade subiu de 20%, antes da adoção do medicamento, para 62%. Enquanto isso, o grupo de controle, que também recebeu sprays, mas com conteúdo inócuo, aumentou o tempo de relação por apenas 40 segundos.

Os pesquisadores esperam que o novo spray seja aprovado pelas autoridades europeias nas próximas semanas. Assim, o tratamento poderá estar no mercado a partir de 2014.

(FONTE: O Globo)
Carregando