Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Produção de veículos no Brasil cai 30% em outubro, diz Anfavea

A produção brasileira de automóveis, comerciais leves (picapes e furgões), caminhões e ônibus caiu 30,1% em outubro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, informou nesta sexta-feira (6) a associação das fabricantes de veículos (Anfavea). As montadoras também divulgaram que 34% dos empregados da indústria automobilística estão com alguma restrição na atividade. Um […]

A produção brasileira de automóveis, comerciais leves (picapes e furgões), caminhões e ônibus caiu 30,1% em outubro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, informou nesta sexta-feira (6) a associação das fabricantes de veículos (Anfavea).

As montadoras também divulgaram que 34% dos empregados da indústria automobilística estão com alguma restrição na atividade. Um total de 45 mil.

Esse montante inclui 35.600 funcionários que tiveram redução de jornada e salário ao aderirem ao Plano de Proteção ao Emprego (PPE) e os que estão afastados (em férias, licença ou suspensão temporária de contrato, o chamado lay-off).

Além disso, cerca de 14,3 mil vagas diretas foram fechadas nos últimos 12 meses – 900 apenas no mês passado. Em outubro de 2014, o setor empregava 147 mil pessoas, mas, no mês passado, o número foi de 132,7 mil, o que representa queda de 9,7%.

O nível continua sendo o mais baixo desde 2012, que é até quando a Anfavea disponiliza dados de emprego.

Comparação – Foram montadas 205.020 unidades, ante 293.328 em outubro de 2014. “Nesse mesmo período do ano passado, muitas compras foram antecipadas pela expectativa de aumento do IPI”, explicou o presidente da Anfavea, Luiz Moan.

Até o final de 2014, o governo incentivou a compra de carros novos com a desoneração do tributo. O benefício acabou em 1º de janeiro, com o retorno das alíquotas normais de IPI.

O desempenho aponta uma melhora de 17,4% sobre o registrado em setembro deste ano, que viu apenas 174,6 mil unidades saindo das plantas no país.

Para Moan, a alta indica apenas que setembro teve mais funcionários afastados do trabalho, para ajustar a produção.

Já o resultado acumulado em 2015 apresenta recuo de 21,1%, na comparação com o mesmo período do ano passado. De janeiro a outubro, 2,11 milhões de veículos saíram das unidades instaladas no Brasil. Este é o menor volume desde 2007, que registrou 2,34 milhões de unidades nos primeiros 10 meses do ano.

Vendas em queda – O tombo na produção reflete o baixo volume de vendas no mercado brasileiro. Os licenciamentos caíram 37,4% em outubro, na comparação anual, o que já havia sido adiantado pela Fenabrave na última terça-feira (3º). Em relação a setembro, a queda foi de 3,96%.

No acumulado no ano, os emplacamentos têm queda de 24,25%. Nos dez primeiros meses deste ano, foram vendidos 2.146.069 carros, comerciais leves, caminhões e ônibus, contra 2.833.168, no mesmo período de 2014.

Caminhões: 45% de queda – Os segmentos de carga e transporte sentem mais os efeitos da situação econômica e cortaram a produção praticamente pela metade. Em outubro, o número de caminhões feitos por aqui foi 45,1% menor do que no mesmo mês de 2014. Já a produção de ônibus encolheu 54,3%, na mesma comparação.

Exportações sobem – Pelo menos as vendas para os países vizinhos estão se recuperando, com alta de 16,9%, para 333 mil unidades de janeiro a outubro. “Exportação é a única área em que estamos no positivo. Parte disso se deve à recuperação da Argentina”, disse Moan. As exportações para o México aumentaram 73%, para o Peru, 66%, e para o Chile, 64%.

O governo brasileiro assinou no mês passado um acordo com a Colômbia para zerar o imposto de importação. Agora o foco da Anfavea é a Europa. “Queremos avançar, juntamente com o governo brasileiro, em um acordo com a União Europeia”, afirmou o executivo.

Projeções – A Anfavea manteve a projeção de queda de 23,2% na produção e de 27,4% nos emplacamentos em 2015. “Acreditamos em uma recuperação a partir do terceiro trimestre do ano que vem”, disse Moan. “Se não fosse a crise política, a queda seria menor.”

Operação da PF – O presidente da Anfavea comentou sobre a Operação Zelotes, da Polícia Federal, que investiga suposto pagamento de propina a funcionários do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), ligado ao Ministério da Fazenda. Há suspeita de que empresas de automóveis tenham pago por benefícios fiscais.

No último dia 26, o vice-presidente da Anfavea, Mauro Marcondes Machado, foi preso e acabou suspenso da entidade. Ele é da MMC Automotores, representante da Mitsubishi no Brasil. Carlos Alberto de Oliveira Andrade, presidente do grupo Caoa, que produz e importa carros da Hyundai e possui concessionárias dessa marca e da Ford, foi levado para prestar depoimento.

“O prejuízo à imagem (da Anfavea) existe porque, quando a gente vê as notícias, vemos uma apresentação generalizada, e não específica, desse fato. Se coloca de uma maneira generalizada e a Anfavea nunca trabalhou em legislações regionais, somente nacional”, disse Moan.

De acordo com a PF, as suspeitas de compra de benefícios para o setor automotivo envolvem 3 medidas provisórias, entre elas duas voltadas a empresas das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

Em nota divulgada no dia da prisão de Machado, a MMC afirmou que já vinha colaborando com as investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, pois “tem todo o interesse em esclarecer os fatos”. E a Caoa informou que Andrade depos na qualidade de testemunha-informante e negou irregularidades.

Carregando