Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Conheça a ‘boy band’ chinesa formada por mulheres andróginas

No final do mês, as garotas devem lançar seu primeiro clipe, mas sua popularidade na China já é imensa!

O que define uma boy band? Seria um grupo de rapazes que se juntam para formar um grupo musical pop? Nessa concepção, The Beatles seria uma das primeiras boy bands de sucesso mundial? Pois bem, para embaralhar ainda mais essa definição, você precisa conhecer o pessoal da Acrush: uma banda de “meninos” que na verdade é composta por meninas andróginas.

No final do mês, as garotas devem lançar seu primeiro clipe, mas sua popularidade na China já é imensa! A Acrush foi apresentada ao mundo pela Tencent, que é um portal de serviços de internet chinês que, entre outras coisas, ajuda a promover estrelas da música pop. Na rede social Weibo, similar ao Twitter e bastante popular por lá, as cantoras já possuem mais de 900 mil seguidores.

A Tencent aproveitou a feira Husband Exhibition para promover a Acrush, já que o termo “marido” (husband, em inglês) se refere aos cantores pop que as chinesas consideram ideais para se casar. O empresário das meninas do Acrush, Zhou Xiaobai, acredita que elas se tornaram famosas entre o público feminino justamente porque podem compreender melhor as necessidades e os anseios de suas fãs.

Popularidade na rede Weibo é comparada à de Katy Perry.

Xiaobai pensava em uma “boy band” de garotas desde que a cantora andrógina Li Yuchun venceu um programa de calouros em 2005. O projeto levou anos para sair do papel, justamente pela dificuldade de encontrar garotas com o mesmo perfil da estrela a ser copiada. Por fim, chegou-se aos nomes de Lu Keran, Junxi, Peng Xichen, Min Junqian e Lin Fan, que treinaram juntas por 2 meses antes de formar a banda.

Apesar disso, os responsáveis pelo grupo não querem que a Acrush seja conhecida como uma “boy band”: eles gostariam que as meninas fossem chamadas pelo termo “meishaonian”, algo como “jovens com beleza”. Um detalhe importante é que as garotas estão proibidas de falar sobre suas orientações sexuais.

Já a aparência masculina é algo que as próprias artistass carregavam antes mesmo de formarem o grupo. O empresário conta que não foi uma imposição da gravadora e nem dos empresários que elas passassem a se vestir como garotos ou a adotar cabelos mais curtinhos. A líder do grupo, Lu Keran, revela que cerca de 15% de seus seguidores no Weibo é composto de haters e que elas já receberam várias declarações de amor de outras mulheres.

Integrantes foram proibidas de falar sobre sua sexualidade; já a aparência masculina não foi uma imposição.

Outra curiosidade é que a Acrush pertence à marca Fantasy Football Confederation (FFC), na qual todos os grupos musicais devem aprender a jogar futebol para passar a mensagem de que seus membros levam uma vida mais saudável. Até mesmo em cima palco algumas coreografias precisam ter movimentos do esporte para reforçar essa ideologia. Será que a Acrush fará o mesmo? Tudo indica que sim.

Carregando