Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Porto do Itaqui registra recorde de movimentação de fertilizantes

O Itaqui alcançou recentemente a certificação na ISSO 9001:2015 e está em fase de implantação da ISO 14001 e OSHAS 18001.

Foto: Reprodução

O Porto do Itaqui registrou, no primeiro trimestre deste ano, um aumento de 49% na movimentação de fertilizantes em comparação ao mesmo período do ano passado. Já as operações de soja nesses três meses ficaram 19% acima do realizado em 2016 (ver quadro). Importante destacar que até março do ano passado a movimentação de grãos ainda não havia sido impactada pela quebra de safra.

A operação não mecanizada de fertilizantes realizada nesse intervalo, por apenas três navios consecutivamente, ficou 75% acima da média planejada. Foram 526 toneladas/hora quando a meta era de 300 toneladas/hora, descarregando em 24 horas 12.600 toneladas (média). Recorde histórico no Itaqui foi a movimentação do navio Occitan Barsac, que em um único dia atingiu a marca de 16.784 toneladas descarregadas.

“O que esses números demonstram é que o Porto do Itaqui tem capacidade para operar fertilizantes, com médias acima de 11.500 toneladas/dia, o que equivale a 60% acima da média planejada para 2017”, afirma o diretor de Operações da EMAP – Empresa Maranhense de Administração Portuária, José Antônio Magalhães.

Os resultados são fruto de um plano de melhoria de performance operacional implementado pela EMAP em conjunto com operadores e clientes. “Temos uma gestão de operação baseada na busca pela excelência em segurança, produtividade, redução de tempo e custo operacional”, informa Magalhães. Para se ter uma ideia dessa redução, o recorde desses três navios significou a disponibilização de uma janela de três dias para outras embarcações utilizarem o Itaqui.

Especificamente na operação com fertilizantes, os pontos de destaque operacional dos três navios foram a melhoria das performances dos equipamentos, operação de todos os clientes em conjunto, evitando fila de veículos aguardando para carregar; descarga eficiente no cliente, proporcionando o rápido retorno dos veículos para o porto; um operador único para dois dos três navios; operação com dois ternos e sem intervalo de estiva durante a maior parte da movimentação.

Soja e milho
O aumento de 19% na movimentação de soja neste primeiro trimestre marca o início da retomada que deve atingir seu ponto alto entre maio e julho, quando se dará o pico do escoamento da super safra de grãos prevista para este ano. O Porto do Itaqui tem papel de destaque nesse cenário: estudo da Conab – Companhia Nacional de Abastecimento – indica crescimento das exportações de grãos pelos portos do Arco Norte e o Itaqui aparece como líder no escoamento de soja e milho produzidos na região do MATOPIBA (que abrange os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí, Bahia e nordeste do Mato Grosso).

De acordo com a pesquisa, o Itaqui deve embarcar 8,6 milhões de toneladas neste ano, 75% a mais em relação ao ano passado. As exportações de soja produzida na região do MATOBIPA, segundo dados da CONAB, terão crescimento de 75% e devem chegar a 11,9 milhões de toneladas ao de 2017. Atrás do Porto do Itaqui aparecem no ranking dos portos do Arco Norte que terão crescimento em movimentação de grãos neste ano, respectivamente, os portos de Barcarena (PA), Itacoatiara (AM) e Santarém (PA).

Diferencial
O Porto do Itaqui está entre os mais importantes da região centro-norte e, ao lado dos terminais privados da Alumar e Ponta da Madeira (operado pela Vale), integra o maior complexo portuário do país em movimentação de cargas. Localizado próximo aos principais mercados mundiais e Canal do Panamá, oferece como vantagem competitiva berços profundos, de calado natural, e a redução das distâncias e dos custos operacionais das rotas até a Ásia, costa oeste da América do Sul e Estados Unidos.

O Itaqui alcançou recentemente a certificação na ISSO 9001:2015 e está em fase de implantação da ISO 14001 e OSHAS 18001. Essa busca por excelência na gestão das operações marca o novo momento por que passa o Itaqui em que, além das vantagens naturais, como localização e profundidade, vem investindo na modernização dos processos de modo a alcançar melhoria nas performances operacionais.