Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Hyundai Tucson ‘some’ das lojas; Punto e Captiva saem de linha

Fiat 500 também não é mais encontrado, mas marca diz que modelo ainda é importado para o Brasil.

Foto: Reprodução

A enxurrada de lançamentos de SUVs nos últimos anos no Brasil parece ter custado a sobrevivência do Hyundai Tucson da primeira geração. Até o ano passado, ele convivia com o Tucson atual e o ix35, que é como a importadora chama a segunda geração do SUV. Agora, é praticamente impossível encontrar unidades zero quilômetro do veterano.

O G1 consultou 8 concessionárias da Hyundai nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador, Curitiba e Goiânia. Apenas na loja de Salvador havia uma unidade à venda, por R$ 74.990, na versão GLS (topo de linha) e já emplacada. O gerente da loja, no entanto, não soube precisar se o carro era novo ou seminovo.

Nas demais, os vendedores afirmaram que o carro não é mais oferecido desde o final do ano passado. Onde o estoque era maior, as últimas unidades foram vendidas em fevereiro.

Nem a concessionária Caoa de Goiânia, a mais próxima de Anápolis (GO), onde o Tucson é fabricado, tem o modelo. “Não temos esse carro desde o final do ano passado. Ele saiu de linha”, disse a vendedora.

Procurada, a Caoa, que fabrica e vende o Tucson e seus “irmãos” mais novos, afirmou que a produção do modelo segue normalmente e que pode ter havido uma “readequação na linha de produção” em função da concorrência interna com o Creta – que é produzido pela Hyundai Motor Brasil (a mesma que faz o HB20), em Piracicaba (SP).

O Tucson foi lançado em 2004. A produção no Brasil começou em 2010. Antes disso, em 2009, o SUV ganhou uma nova geração no exterior, batizada de ix35. Apesar disso, os dois veículos continuaram sendo fabricados e vendidos paralelamente por aqui.

Na Europa, a terceira geração chegou em 2015. Ela só desembarcou no Brasil um ano depois, também com produção nacional. Na época, a Hyundai afirmou que os 3 carros conviveriam. No entanto, já no final de 2016 as vendas do primeiro Tucson caíram drasticamente. Em dezembro, foram apenas 161 unidades emplacadas, contra 493 do ix35.

Dois veículos da Fiat também andam “sumidos” das lojas. O 500, que é importado do México, é uma incógnita para parte dos vendedores da marca nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Salvador e Curitiba.

Alguns dizem que o modelo pode ser encomendado, mas que o prazo de entrega pode chegar a 75 dias. Outros sequer conseguem estimar uma data para que o carro seja entregue.

A Fiat diz que o modelo chega ao Brasil importado por lotes, e que a falta do carro nas lojas pode ser reflexo de um intervalo entre o fim de um destes lotes e a chegada do próximo. No site da fabricante, o 500 até é listado, mas com “preço indisponível”.

Outro Fiat, o Punto, está com os dias contados. A própria montadora confirma que a produção será encerrada nas próximas semanas. O veículo foi lançado no Brasil em 2007 e em breve será substituído pelo Argo, que também ocupará a lacuna deixada pelo Bravo.

Nas concessionárias Chevrolet, a “desaparecida” é a Captiva. Alguns vendedores das lojas ouvidas pelo G1 dizem que não recebem o veículo há cerca de um ano. Não é novidade que o SUV será substituído pelo Equinox ainda este ano.

Um dos funcionários afirmou que o novo modelo chega em julho, em uma faixa de preço variando de R$ 120 a R$ 130 mil. Só não há maiores informações de versões, equipamentos e motorizações. Nos Estados Unidos, há opções com motor 1.5 turbo de 170 cavalos.

Carregando