Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Jovem que se fingiu de morto para escapar de execução recebe alta

Ele estava internado no Hospital Municipal Doutor Clementino Moura (Socorrão 2), na Cidade Operária, em São Luís.

As duas crianças não escaparam da morte no ataque em Bacabeira.

Por Nelson Melo

Um jovem de 24 anos que se fingiu de morto para escapar de um ataque de um grupo armado, em que duas crianças morreram e um adolescente de 15 anos ficou ferido, na cidade maranhense de Bacabeira, recebeu alta hospitalar nesta segunda-feira (7). Ele estava internado no Hospital Municipal Doutor Clementino Moura (Socorrão 2), na Cidade Operária, em São Luís.

De acordo com informações apuradas pela reportagem do Jornal Pequeno, o jovem de 24 anos, que estava com os garotos, foi esfaqueado em várias partes do corpo, foi socorrido e permanecia internado no Hospital Municipal Socorrão II, na Cidade Operária. Mas, ele já recebeu alta e já se encontra em sua casa, na Vila Samara, área rural da capital. O jovem afirmou que somente está vivo porque se fingiu de morto.

“Se a gente corresse, nós podíamos levar tiro. A gente resolveu ficar, tentamos conversar com eles, mas não adiantou, nos torturaram. Num momento em que eu estava muito cortado, pensei, já que não há mais nada a fazer, vou me fingir de morto. Deus foi tão bom que eu consegui sobreviver. Quando eles saíram, eu me levantei e fui andando até a rodovia, quando fui socorrido e levado para o hospital em São Luís”, informou a vítima.

O outro sobrevivente, o adolescente de 15 anos, que estava internado no mesmo hospital, também recebeu alta. Ele foi atingido com um tiro no rosto, a bala atravessou a boca, o pescoço e se alojou na clavícula. O adolescente é irmão de Erisvan da Silva Costa, 12, que foi assassinado pelo grupo armado.

A outra criança assassinada pelos mesmos criminosos é Roberto da Luz, 11. Ele também teria sido atingido por tiros e golpes de facão. Erisvan e Roberto foram levados para uma área de campo, e depois mortos a tiros e a golpes de facão, sendo sepultados em uma cova rasa. Os corpos foram resgatados pela equipe do Centro Tático Aéreo (CTA) e levados para o Instituto Médico Legal (IML), no Bacanga, onde foram periciados e liberados na tarde de sábado, 4.

De acordo com a mãe de Roberto, o filho tinha saído de casa para pescar e caçar passarinhos com mais três colegas na terça-feira, quando foram atacados por um grupo de seis homens armados, que estariam atrás de ladrões de porcos. Cabe ressaltar que as vítimas estavam desaparecidas desde a terça-feira (1º) e os corpos das duas crianças de 11 e 12 anos, moradoras da Vila Samara, foram encontrados na tarde de sexta-feira (4), em uma cova rasa na região do Campo de Perizes, em Bacabeira.