Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Investimentos e influência regional explicam recorde de soja no Porto do Itaqui

Além da supersafra de grãos registrada no Maranhão em 2017, o aumento da influência regional do Porto do Itaqui e os fortes investimentos ajudam a explicar a movimentação recorde.

Foto: Reprodução

Com investimentos em infraestrutura, segurança e modernização de instalações, o Porto do Itaqui criou condições para garantir a movimentação acima de 5 milhões de toneladas de soja no acumulado deste ano, registrando novo recorde.

Além da supersafra de grãos registrada no Maranhão em 2017, o aumento da influência regional do Porto do Itaqui e os fortes investimentos ajudam a explicar a movimentação recorde.

“Nossa primeira missão foi sanear a empresa. O governador Flávio Dino determinou que os recursos públicos deveriam ser investidos nas áreas prioritárias do governo, a exemplo da saúde, educação, segurança pública. Desde então, trabalhamos para que o Porto opere com recursos próprios”, explica o presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), Ted Lago.

Lago acrescenta que após recuperar financeiramente a empresa que administra o Porto, o passo seguinte foi melhorar a qualidade da prestação de serviço e investir na modernização: “Fizemos ajustes de despesas, superamos nossos indicadores de rentabilidade e de qualidade, além de investir na modernização da nossa infraestrutura”.

Para consolidar a importância estratégica do Porto do Itaqui, a Emap investiu na aproximação com investidores, aumentando sua área de influência sobretudo no Matopiba, mercado regional que abrange população de 50 milhões de pessoas. Trata-se da principal fronteira agrícola do país, que abrange, além do Maranhão, os estados de Piauí, Pará, Tocantins, Bahia, além de parte do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás.

Para Ted Lago, os investimentos garantiram ao porto condições estratégicas de crescimento, gerando oportunidades mesmo com a crise nacional. “A crise não significou impacto na movimentação do porto. Nossa infraestrutura de logística e localização garante que sejamos um canal preferencial no momento em que há necessidade de redução de custos e despesas. Por essa razão, temos hoje como garantir a movimentação de cargas em tempo muito inferior na comparação com outros portos brasileiros.”

Hoje o Porto do Itaqui tem capacidade para movimentar 67,2 mil toneladas de soja por dia nos dois berços dedicados a esse tipo de carga.

Mais investimentos

Para garantir a continuidade do crescimento na movimentação operacional, a Emap investe na ampliação do Porto. Já está em processo de elaboração licitatória o processo para obra de construção de um berço misto próprio, com capacidade para vários tipos de carga. Serão mais de R$ 150 milhões investidos.

“Esse berço receberá carga geral, além de grãos. Trata-se de um dos maiores investimentos públicos, com previsão de conclusão em 36 meses, levando-se em consideração o procedimento licitatório e o andamento da obra”, diz Lago.

Ted Lago também anuncia o avanço nas negociações para a construção de um terminal de celulose, com investimentos de R$ 70 milhões: “Essa obra está em processo de análise e deve ir a leilão público ainda no primeiro semestre do ano que vem”, diz.