Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Fugitivo de tentativa de ‘saidinha bancária’ é preso pela SHPP

Em desfavor do suspeito, há um mandado de prisão temporária expedido com relação a um crime investigado pela SHPP.

“Jajá” disse que perdeu uma perna em confronto com a Polícia Militar. (Foto: Gilson Ferreira)

Por Nelson Melo

Após monitoramento feito pelo Departamento de Proteção à Pessoa (DPP) e o Núcleo de Inteligência da Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), foi capturado, nesta quarta-feira (6), Jailton Nonato Araújo Santos, o “Jajá”, de 36 anos, na região central de São Luís. Ele, que é deficiente físico (não possui a perna direita), havia fugido de uma tentativa de “saidinha bancária” no último dia 16 de agosto no bairro do João Paulo.

Ao Jornal Pequeno, o delegado Marcos Affonso Júnior, titular do DPP, comunicou que Jailton, que também é conhecido como “Jota”, foi abordado pouco depois do meio-dia, no Banco Bradesco, quando pretendia desbloquear um cartão, sendo que, em seu desfavor, havia um mandado de prisão temporária expedido com relação a um crime investigado pela SHPP. O documento foi decretado pela Central de Inquéritos, com assinatura da juíza Janaína Araújo de Carvalho.

Segundo a fonte, Jailton Nonato, no dia 16 de agosto passado, iria praticar uma “saidinha bancária” na porta do Banco Itaú, no João Paulo, mas, com a chegada dos policiais civis da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic), que receberam informações dos investigadores da SHPP, ele fugiu dirigindo um carro, embora limitado pela deficiência na perna direita. Naquele momento, as equipes prenderam dois comparsas dele, Carlos Augusto Reis Máximo Filho, 36, o “Gugu Branco”, e Carlos André Rocha Veloso, 30, o “Gugu de Brasília”.

A tentativa de ‘saidinha’: Carlos Augusto Reis Máximo Filho e Carlos André Rocha Veloso estavam ao lado do Banco Itaú, aguardando uma pessoa sair com uma grande quantidade de dinheiro. Eles iriam fugir em uma motocicleta, sendo que um deles trajava uniforme da Companhia Energética do Maranhão (Cemar), para não despertar a atenção das forças policiais nem da vítima.

Um revólver calibre 38, contendo cinco munições intactas, foi apreendido com os dois bandidos.