Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Acusados por morte de ex-prefeito de Poção das Pedras são condenados

Foram condenados Rogério Furtado de Sousa e Cosme José Teixeira Maciel, que eram réus com relação ao assassinato de Raimundo Mota da Silva.

Rogério, quando prestava depoimento durante sessão no Fórum. (Foto: Divulgação)

Por Nelson Melo

Foram condenados a 28 anos e 15 dias de reclusão em regime fechado, durante sessão do júri popular realizada nesta segunda-feira (25), no Fórum Desembargador Sarney Costa, em São Luís, Rogério Furtado de Sousa e Cosme José Teixeira Maciel, que eram réus com relação ao assassinato de Raimundo Mota da Silva, mais conhecido como “Borges”, ex-prefeito da cidade de Poção das Pedras/MA. As prisões preventivas deles foram decretadas ao fim do procedimento.

Conforme informações do Fórum Desembargador Sarney Costa,um dos réus, Valter Luiz Bastos Cantanhede, o “Valtinho”, não esteve na sessão porque está hospitalizado. Já Cosme José Teixeira, embora tenha sido intimado, também não compareceu nem justificou sua ausência no julgamento, que foi presidido pelo juiz Gilberto de Moura Lima, da 2ª Vara do Tribunal do Júri, com o promotor de Justiça Gilberto Câmara Júnior na parte da acusação.

Porém, o mandado de prisão contra ele foi expedido no final do julgamento, que terminou por volta das 19h. O acusado Rogério, único dentre os acusados que compareceu ao júri, foi ouvido no turno matutino, assim como quatro testemunhas. À tarde, ocorreu o debate entre a defesa e a acusação.

O crime: Raimundo Mota foi assassinado no dia 17 de setembro de 1992, no Conjunto Paranã, no município de Paço do Lumiar. Ele foi sequestrado, torturado, morto a tiros e carbonizado, sendo que, na época, a vítima estava afastada do cargo por decisão judicial. Os autos mostram que o ex-prefeito estava em sua residência, por volta das 15h30, no Vinhais, em São Luís, quando Rogério Furtado chegou dizendo que iria levá-lo até um desembargador, que providenciaria o retorno de “Borges” à sua função política em Poção das Pedras.

Porém, era uma cilada, pois Raimundo foi sequestrado e depois assassinado a tiros por ordens de Francisco de Alencar Sampaio, o “Chicão”, vice-prefeito de Poção das Pedras em 1992, e Romão Bizarrias Vilarindo, tesoureiro daquele município que, em 2013, faleceu. Nesse sentido, ele teria sido morto porque pretendia retornar ao cargo, que era ocupado por “Chicão” quando a Justiça determinava o afastamento da vítima. Com a saída definitiva dele do cenário político, cada um teria a sua função garantida, com Cosme Teixeira como chefe de gabinete.

Com relação a Rogério Furtado, segundo o Ministério Público, ele recebia gratificações pagas por “Chicão” – queteve extinta sua punibilidade, por prescrição, no ano de 2012, quando estava com 72 anos de idade -, embora não fosse funcionário da Prefeitura de lá.