Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

São Luís é uma das cidades com maior percentual de famílias endividadas do País

O estudo avalia os principais aspectos e as dimensões da política de crédito no Brasil entre 2014 e 2016, período em que o Brasil foi exposto a fortes instabilidades políticas e econômicas.

De acordo com dados levantados pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) na sétima edição da Radiografia do Crédito e do Endividamento das Famílias nas Capitais Brasileiras, a capital maranhense é uma das cidades com maior percentual de famílias envidadas do país, cerca de 72% com uma dívida média de R$ 1.045 por família. O estudo avalia os principais aspectos e as dimensões da política de crédito no Brasil entre 2014 e 2016, período em que o Brasil foi exposto a fortes instabilidades políticas e econômicas.

A pesquisa mostra que mais de 280 mil famílias brasileiras, afetadas pela crise e consequentemente pelo desemprego, ajustaram suas contas e deixaram de ter dívidas no período entre dezembro de 2014 e dezembro de 2016, nas 27 capitais brasileiras. Em dezembro de 2014, 9,149 milhões de famílias residentes nas capitais tinham algum tipo de dívida. Em dezembro de 2016, esse número caiu para 8,869 milhões.

De acordo com o levantamento, o porcentual de famílias brasileiras endividadas nas capitais do Brasil caiu para 57% em 2016 devido ao forte ajuste no consumo de bens duráveis em função da perda da renda e do temor pelo desemprego.

Ao mesmo tempo que o número de famílias no Brasil cresceu 1,6% no período, o total de rendimentos mensal delas, que era de R$ 256,9 bilhões em 2014, caiu para R$ 256,8 bilhões em dezembro de 2016, diferença de 135 milhões (ou -0,1%). No mesmo sentido, a renda média mensal familiar passou de R$ 4.256,63 em 2014 para R$ 4.187,78 no final de 2016, queda de 1,6% em termos reais.

Nordeste 

Natal registrou a maior taxa de endividamento entre as famílias da Região Nordeste e a quinta maior do País, com 75% de lares com dívidas em dezembro de 2016. O valor é 18 pontos porcentuais maior que a média nacional, de 57%.

Teresina (PI), com 53%, e Salvador (BA), com 51%, estão abaixo da média nacional. Maceió (AL), com 60%; Fortaleza (CE), com 63%; João Pessoa (PB), com 64%; Recife (PE), com 68%; Aracaju (SE), com 64%; São Luis (MA), com 72%; e Natal (RN) são as capitais do Nordeste que estão com 75% acima da média.

A capital do Ceará, Fortaleza, apresentou a segunda maior taxa de crescimento na proporção de famílias endividadas entre dezembro de 2015 e dezembro de 2016, com 17,1% de aumento entre as capitais do País. A capital cearense saltou de 54% das famílias endividadas para 63%, o que representa pouco mais de 70 mil lares.

Em segundo lugar no ranking nacional das capitais com maior aumento do valor total das dívidas das famílias nesse período está Recife, com um  crescimento de 20,1%. Fortaleza é a terceira colocada, apresentando um crescimento de 19,3%.

Liderando a categoria, o Sudeste concentra 43% do montante de dívidas, seguido pelo Nordeste, com 19% .

Em terceiro e quarto lugar estão Natal e Teresina, respectivamente, no ranking de taxa de comprometimento da renda com dívidas, ambas com 37,4%, enquanto a média nacional é de 30%.

(Com dados da Fecomércio)