Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Começa em São Luís nesta sexta-feira a ‘Semana de Combate ao Feminicídio’

Promovido pela Polícia Civil, o evento será marcado pela reflexão acerca dos crimes cometidos contra as mulheres.

Banner de divulgação da Semana de Combate ao Feminicídio. (Foto: Divulgação)

Por Nelson Melo

Será iniciada, nesta sexta-feira (10), em São Luís, a “Semana de Combate ao Feminicídio”, que se estenderá até o próximo dia 13 de novembro. Promovido pela Polícia Civil, o evento será marcado pela reflexão acerca dos crimes cometidos contra as mulheres, com uma vasta e rica programação, como, por exemplo, uma caminhada na Avenida Litorânea referente ao tema.

Como explicou a delegada Viviane Azambuja, titular do Departamento de Feminicídio da Superintendência Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), na sexta-feira, ocorrerá a abertura do evento, no Shopping da Ilha, a partir das 19h, com a apresentação do Ballet Feminicídio, um espetáculo maravilhoso. Em seguida, às 20h, a organização da Semana promoverá uma aula de defesa pessoal às mulheres, para que possam aprender as habilidades necessárias em caso de ataque dos suspeitos.

No sábado (11), prosseguiu Azambuja, a Semana será marcada pela “Caminhada pelo Fim do Feminicídio”, sendo que a concentração ocorrerá em frente à Casa das Dunas, às margens da Avenida Litorânea. No decorrer da marcha, as pessoas, entre homens e mulheres, crianças, adultos e idosos, lembrar-se-ão das mulheres que foram vítimas desse crime no Maranhão, como, por exemplo, a pequena Alanna Ludmila Borges Pereira, que tinha apenas 10 anos e foi brutalmente e covardemente estuprada e assassinada pelo ex-padrasto, que já se encontra preso.

Conforme Viviane, com relação ao domingo (12), o evento oferecerá um AtoShow na “Feirinha de São Luís”, que acontece na Praça Benedito Leite, Centro Histórico da cidade. Por fim, a Semana será encerrada na segunda-feira, com uma audiência pública no Auditório Fernando Falcão, localizado na Assembleia Legislativa, com a presença da famílias das mulheres que foram vítimas de feminicídio.

O feminicídio:segundo pesquisa recente, o feminicídio é o responsável pela morte de oito mulheres no Brasil por dia. Importante lembrar que a Lei do Feminicídio foi criada em 2015, com base nos estudos da advogada criminalista Luiza Eluf. De acordo com ela, “a conduta é matar alguém. Porém, se este alguém for mulher e, se essa mulher morrer devido às condições do sexo feminino no Brasil, ou seja, devido à subalternidade ou ao entendimento por parte do assassino, de que aquela mulher tem menos direito que ele e que aquela mulher lhe deve obediência total e ele tem o direito de vida ou morte sobre ela. Então, ele mata por esse motivo, ele estará cometendo um feminicídio”.

Segundo a advogada, a punição do feminicídio é maior do que a do homicídio porque o motivo do assassinato é torpe e a vítima é pega de surpresa, como em uma emboscada. “Tudo isso, a nossa lei considera que torna o assassinato mais grave do que um homicídio que tenha sido praticado de outra forma e por um por outro motivo”, frisou Eluf.