Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Mais mulheres brasileiras estão morrendo por AVC. Por quê?

Enquanto o número de homens morrendo por causa de um derrame caiu de 2010 a 2015, entre as mulheres ele cresceu bastante

Foto: Reprodução

A saúde cardiovascular do sexo feminino está ameaçada. A partir de dados levantados pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), notou-se um crescimento na quantidade de mortes por AVC entre as mulheres de 2010 a 2015 – justamente o oposto do que vem acontecendo com os homens.

Popularmente conhecidos como derrames, os acidentes vasculares cerebrais são atualmente os principais responsáveis por incapacidade ao redor do globo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). Dentre os maiores culpados por esse mal, encontram-se problemas difundidos em nossa sociedade – é o caso de má alimentação, sedentarismo, estresse, tabagismo, alcoolismo, hipertensão, diabetes, colesterol alto e obesidade.

Mas você pode olhar o gráfico lá em cima e pensar: ora, a quantidade de óbitos por AVC é praticamente igual entre os sexos. E é mesmo. Em 2015, 50 251 marmanjos e 50 252 mulheres morreram do mal – sim, a diferença foi de um caso. Ocorre que, enquanto há uma tendência de queda na curva masculina, o oposto está acontecendo com as mulheres.

Segundo o diretor da SBC, Celso Amodeo, por trás da melhora entre os homens, estão campanhas de educação e conscientização a respeito dos fatores de risco. O que explicaria, porém, o aumento no número de AVCs entre as mulheres?

A famigerada dupla jornada

Tudo aponta que fatores culturais estejam por trás dos dados. “Além das tarefas de casa, as mulheres passaram a ter atividades externas de trabalho”, opina Amodeo. De fato: um levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) mostrou, esse ano, que o sexo feminino trabalha quase oito horas a mais que o masculino por semana – considerando o trabalho doméstico e o do escritório.

Porém, há outros possíveis culpados. O uso de pílula anticoncepcional entre as predispostas ao tromboembolismo (principalmente as fumantes), por exemplo, seria um deles. Para ficar segura, o jeito é buscar conselhos de um médico.

Por outro lado, Amodeo observa que a prevalência de derrames no Brasil é semelhante à que se observa em outros países. “Na China, os números são maiores ainda, devido ao grande consumo de sal, quase quatro vezes maior que o brasileiro”, comenta.

Ou seja, não é que nós estamos indo especialmente mal. Só que isso não é motivo para deixarmos de prestar atenção, certo?

E um último recado: a saúde da mulher está gerando tanta preocupação que, no Dia Mundial do Diabetes de 2017, o tema eleito foi como essa doença afeta especificamente o sexo feminino.