Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Dívida de servidores com consignado bate recorde, mas juros caem

Dados do Banco Central mostram que a dívida do funcionalismo no crédito consignado bateu novo recorde, atingindo R$ 175,3 bilhões em outubro, com aumento de 4,4% no ano.

Foto: Reprodução

Mesmo com o adiamento dos reajustes de salários de 2018 para 2019, os servidores públicos mantiveram a disposição para se endividarem. Dados do Banco Central mostram que a dívida do funcionalismo no crédito consignado bateu novo recorde, atingindo R$ 175,3 bilhões em outubro, com aumento de 4,4% no ano.

Os empréstimos, porém, estão sendo feitos a juros menores. Em outubro, a taxa média ficou em 24,9% ao ano, a menor em mais de três anos. No acumulado de 2018, os juros no consignado para os servidores recuaram 2,6 pontos percentuais. Estima-se que, ao longo de 12 meses, o funcionalismo economizará, com as taxas menores, cerca de R$ 5 bilhões.

O governo, inclusive, conta com os juros menores do consignado como uma alavanca para a economia. O secretário para assuntos econômicos do Ministério do Planejamento, Marcos Ferrari, tem dito que esse é um dos pontos que vem sustentado o consumo das famílias, responsável pela retomada do crescimento econômico.

Na mira do governo

Os servidores estão na mira do governo. Além de terem o sistema de aposentadorias equiparado ao dos trabalhadores da iniciativa privada dentro do projeto de reforma da Previdência e de verem o reajuste salarial adiado, viram a contribuição para o regime previdenciário subir de 11% para 14%.

Na Esplanada dos Ministérios, o descontentamento dos servidores é grande. Eles reconhecem que a situação fiscal do país é gravíssima, mas reclamam que estão dando a maior cota de sacrifício dentro do programa de ajuste das contas públicas. Alegam que o governo avançou demais sobre seus ganhos.

O governo, por sua vez, argumenta que os servidores têm privilégios demais quando comparados aos demais trabalhadores. E cita, como exemplo, o rombo no Regime Próprio de Previdência (RPPS), no qual 1 milhão de aposentados e pensionistas responde por um rombo de R$ 75 bilhões por ano, quando, no Regime Geral (RGPS), 32 milhões de beneficiários provocam deficit de R$ 150 bilhões.

Muito do arrocho imposto pelo governo aos servidores está sob avaliação do Congresso. E a equipe econômica conta com a aprovação das medidas para cumprir a meta fiscal de 2018, de deficit máximo de R$ 159 bilhões. Os parlamentares, porém, estão sendo convencidos pelos servidores a brecarem o adiamento do reajuste de salários e o aumento da contribuição previdenciária.