Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Ministério da Saúde descarta caso de febre amarela no Maranhão

Um caso da doença foi notificado, mas descartado após a realização de exames; a SES diz que não houve notificação de casos e informa que prossegue com a intensificação da vacinação nas áreas rurais dos municípios prioritários.

Foto: Reprodução

O Ministério da Saúde (MS) esclarece que durante o período de monitoramento feito pelo órgão, de 1º de julho do ano passado até ontem, 30, um caso de febre amarela que foi notificado no Maranhão está descartado após a realização de exames.

Porém, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) esclarece que não houve notificação de casos de febre amarela no Maranhão. A Superintendência de Epidemiologia e Controle de Doenças da SES entrará em contato com o Ministério da Saúde a fim de apurar sobre a notificação divulgada através de release, na última terça-feira (30).

A Secretaria diz ainda que, como medida preventiva, prossegue com a intensificação da vacinação nas áreas rurais dos municípios prioritários. Na fase inicial, desde o dia 28 de janeiro, as equipes de vacinação estão nas Regionais de Saúde de Balsas, Imperatriz, Barra do Corda, Rosário e São João dos Patos. A meta é imunizar a população não vacinada dos municípios prioritários de onze regionais de saúde até a segunda quinzena de março.

Outras ações incluem palestras nas comunidades rurais sobre as ações de prevenção da febre amarela silvestre, o fortalecimento do monitoramento de epizootias em macacos e a intensificação das ações de Combate ao Aedes, nas áreas mais urbanizadas, com aplicação de UBV (carro fumacê) e mobilização social. A ação contra o Aedes é permanente no calendário da saúde no Maranhão. O mosquito é o principal transmissor da febre amarela, dengue, chikungunya e zika. Por fim, a SES reafirma que no Maranhão não há casos da doença há mais de duas décadas.

Área endêmica

Mesmo diante do descarte do caso, o Maranhão é apontado por especialistas como uma área endêmica para a doença. Por isso, o Governo Federal recomendou que a população dos 217 municípios procure os postos de saúde para se imunizar. De acordo com o órgão, por enquanto trata-se de uma ação meramente preventiva para evitar uma possível disseminação da doença.

De acordo com o Departamento de Patologia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), o último caso de febre amarela em ser humano foi registrado no estado em 1992. Apesar disso, especialistas afirmam que a população deve estar em alerta. “Não estamos totalmente sem o risco, já que a doença está ocorrendo em áreas de parques, zonas rurais e há cidades em nosso estado cercadas por localidades assim”, disse a professora da UFMA, Maria dos Remédios Carvalho.