Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Cruzeiro dá show, humilha Universidad de Chile no Mineirão e segue vivo na Libertadores

Com grande atuação de Arrascaeta, Raposa faz sete gols no time chileno, iguala maior goleada do clube na história do torneio continental e sobe para o segundo lugar no Grupo 5

Foto: Reprodução

Vencer. Golear. Reanimar a torcida. Recuperar a confiança. Renascer na Taça Libertadores. Junte tudo isso e terá o roteiro da gigantesca vitória do Cruzeiro sobre a Universidad de Chile, nesta quinta-feira, no Mineirão. Por 7 a 0, a Raposa atropelou os chilenos. O time se impôs desde o começo da partida e abriu 3 a 0.

Para golear, além da autoridade em campo, o Cruzeiro contou com duas expulsões na La U, um no final da primeira etapa, outra no começo da segunda. Thiago Neves (2), Sassá (2), Rafinha, Arrascaeta e Rafael Sóbis balançaram as redes. Com a goleada, o Cruzeiro superou justamente a Universidad de Chile e assumiu a segunda colocação, agora com cinco pontos.

Empurrado pela torcida, o Cruzeiro dominou a Universidad de Chile. O time precisou de apenas nove minutos para abrir o marcador. Thiago Neves sofreu falta na entrada da área. Ele mesmo cobrou e fez 1 a 0. O gol inflamou ainda mais o jogo. Foram mais oito minutos até o segundo gol. O Cruzeiro ampliou com Rafinha, de cabeça, completando a boa jogada de Thiago Neves e Sassá. Somente após os gols, a Universidad de Chile se arriscou mais. Porém, levou pouco perigo à meta defendida por Fábio. Quem fez mais um foi a Raposa. Sassá, de pênalti, aos 42 minutos. Aos 45, complicou ainda mais para os chilenos. O zagueiro Vilches foi expulso.

Era a noite do Cruzeiro. A etapa final começou com mais uma expulsão na La U. E mais um zagueiro: Echeverría. Com dois a menos, não teve jeito. Aos sete minutos, Arrascaeta mandou para as redes a bola cruzada por Edilson. As chances seguiram para o Cruzeiro. Depois de desperdiçar uma chance, Sassá marcou o segundo dele e o quarto da Raposa, aos 16 minutos. Aos 29 minutos, Thiago Neves fez 6 a 0. O passeio ficou completo com Rafael Sóbis, que fez 7 a 0 aos 35 minutos. Com o jogo mais que definido, o Cruzeiro trocou passes. Já a torcida soltou o grito de “olé”.

Thiago Neves não marcava gol na Libertadores desde 2008, quando fez três pelo Fluminense na partida de volta da decisão contra a LDU. Nas edições 2012 e 2013, quando atuou em 15 jogos pelo Fluminense, o meia não balançou as redes. No Cruzeiro, nos três jogos anteriores ao desta quinta, ele também passou em branco. Espantou o jejum com dois gols nesta quarta-feira.

Carregando