Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Paralisação de caminhoneiros continua no Maranhão

No nono dia de protesto os reflexos ainda persistem em diversos setores no estado

A redução de R$ 0,46 no preço do diesel ainda gera muita insatisfação entre os caminhoneiros que estão nos protestos (Foto: Reprodução)

Nesta terça-feira (29), a paralisação prossegue no Maranhão e em outros 17 estados, sendo o nono dia de protesto. Mesmo com o acordo referido pelo governo, que se comprometeu em reduzir o diesel em R$ 0,46 por 60 dias, os caminhoneiros ainda permanecem com os protestos em vias do país.

No Maranhão, a Cooperativa dos Hortifrutigranjeiros do Maranhão (Ceasa) já anunciou desabastecimento geral e as universidades federais, estudais e particulares suspenderam as aulas, no entanto, as aulas retornam normalmente nesta terça-feira. Hoje, 16 pontos permanecem bloqueados nas rodovias que cortam o estado.

O Sindicato de Empresas de Transporte e Passageiros de São Luís (SET), declarou que os ônibus da Região Metropolitana continuam circulando com uma frota de 90%. E serviços de saúde e segurança pública, até agora não estão sendo afetados. No interior do estado, uma operação é feita para transportar o combustível via ferry boat.

Sobre o tratamento da água, a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) informou que está monitorando os estoques de insumos para tratamento de água e que articula operações para garantir que o fornecimento não seja suspenso, e alerta a população para fazer uso consciente da água.

Os impactos da greve dos caminhoneiros no Porto do Itaqui também afetou a movimentação de fertilizantes e celulose. De acordo com o Governo do Estado, a situação está sendo normalizada com a chegada de carretas que estavam retidas no bloqueio na BR-135.

Além do Maranhão, os protestos prosseguem em mais 17 estados: Goiás, Paraíba, Pernambuco, Ceará, Sergipe, Bahia, Rio Grande do Norte, Tocantins, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e no Distrito Federal.

Carregando