Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Maranhenses desenvolvem game que ajuda no tratamento de crianças com TEA

O Game funciona por meio de dispositivos móveis, o jogo exercita os estímulos e a capacidade de uma criança diagnosticada com autismo reconhecer expressões faciais distintas em um ambiente de múltipla escolha.

Pesquisadores durante feira de demonstração do Game. (Foto: Divulgação)

A equipe multidisciplinar do Instituto Federal do Maranhão (IFMA) Campus Codó desenvolveu um game que busca auxiliar no tratamento de crianças com Transtorno do Espectro (TEA): o Face-ABA.

O Game, que funciona por meio de dispositivos móveis, exercita os estímulos e a capacidade de uma criança diagnosticada com autismo reconhecer expressões faciais distintas em um ambiente de múltipla escolha, possibilitando o aumento gradativo da sensibilidade aos estímulos exteriores, preferência por imagens faciais que se manuseiam de forma repetitiva, o que desenvolve a motricidade e a sociabilidade do usuário.

De acordo com o professor Dr. Francisco Adelton Alves Ribeiro, que é engenheiro de Computação e Sistemas e coordena a pesquisa, a ideia surgiu em 2015, durante sua pesquisa de doutorado, baseada nos relatos dos desafios enfrentados por profissionais da saúde e da educação que trabalham com crianças diagnosticadas com autismo. A equipe coordenada pelo professor é composta por docentes, estudantes, técnicos administrativos e voluntários. O processo de pesquisa passou pelas seguintes etapas: levantamento bibliográfico; busca das pesquisas relacionadas com o tema; definição da linguagem de programação para desenvolvimento do game; análise e desenvolvimento do protótipo experimental do game; adequação do sistema e avaliação dos resultados obtidos.

Em 2017, o projeto “Face-ABA: Um game para auxílio no tratamento de crianças autistas através da interpretação e reconhecimento de expressões faciais” foi um dos aprovados no Edital nº 062/2017, da Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (PRPGI), que selecionou propostas de pesquisa de jogos digitais.

A metodologia utilizada no Face-ABA consiste na Análise do Comportamento Aplicada (Apllied Behavior Analysis – ABA, em inglês). A expressão se refere a uma linha teórica da psicologia que trabalha com comportamentos que podem ser observados e modificados. Comumente associada ao tratamento de pessoas portadoras de Distúrbios do Espectro do Autismo (DEA), a Terapia ABA propõe intervenções no ensino das habilidades emocionais.

“A equipe pretende disponibilizar o game para as crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) da Associação Pestalozzi de Codó – MA, por meio de um projeto de extensão. Os educadores terão acesso ao relatório de resultados correspondentes a cada fase do game, contendo a quantidade de interações, a quantidade de toques em outros botões, a quantidade de toques fora dos botões, o total de toques e o tempo gasto para conclusão de cada fase”, explica o professor Dr. Francisco Adelton. O game está em fase de Registro de Programa de Computador e será disponibilizado para downloads nas plataformas Android e iOS.

O trabalho foi aceito para apresentação em dois eventos internacionais: 12th International Conference on Smart-Learning and Smart Technologies (12ª Conferência Internacional sobre aprendizagem e tecnologias inteligentes), que será realizada nos dias 25 e 26 de setembro, em Cairo – Egito; e 15th ACS/IEEE International Conference on Computer Systems and Applications (15ª Conferência Internacional ACS / IEEE sobre Sistemas e Aplicações de Computação), que acontecerá de 28 de outubro a 01 de novembro, em Aqaba – Jordânia. Além disso, o game conquistou o segundo lugar no Planeta Play, competição de jogos do Universo IFMA, realizado de 03 a 05 de setembro no Campus São José de Ribamar.

Carregando