Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Condenado a 22 anos o assassino do DJ maranhense Yago Siik

Lucas Albo já cumpre prisão preventiva; defesa vai recorrer. Câmeras flagraram disparos contra Yago Siik na saída de uma festa, em junho de 2017

Yago Linhares morto pelo estudante de direito Lucas Albo de Oliveira em 2017. (Foto: Arquivo Pessoal)

O Tribunal do Júri de Brasília condenou nesta terça-feira (6), a 22 anos de prisão, o estudante de direito Lucas Albo de Oliveira. Ele é acusado de matar a tiros o DJ Yago Linhares Siik após uma festa no Conic, em junho de 2017 em Brasília.

Lucas Albo foi condenado por homicídio triplamente qualificado – motivo torpe, surpresa e perigo comum –, além de agressão, ameaça e injúria à ex-namorada. Ele já está preso preventivamente, e deve continuar no presídio da Papuda até o esgotamento dos recursos.

Ao G1, a defesa de Albo informou que vai recorrer porque “não há elementos nos autos que possam determinar essa sentença” – mesmo considerando que os disparos foram registrados pelas câmeras de segurança do prédio na área central de Brasília.

As imagens mostram que Siik foi atingido por dois tiros, em frente ao Teatro Dulcina de Moraes. Ele atuava como DJ em Brasília, mas não estava na festa a trabalho. Parentes e amigos disseram que ele defendeu uma amiga da agressão do namorado antes de ser assassinado.

Na audiência desta terça (6), o réu falou pela primeira vez em juízo. A sessão começou às 10h, e terminou após as 22h. Segundo o advogado do réu, Carlos Roberto de Araújo, Albo afirmou no depoimento que foi agredido pela vítima e, só depois, revidou.

Ao todo, três testemunhas de defesa e seis de acusação foram ouvidas. A sessão de debates se estendeu pela tarde, e só então os jurados se reuniram para deliberar sobre a condenação, lida em plenário pelo juiz que presidia a sessão.

Carregando