Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Projetos sociais desenvolvidos pelo Hospital Aquiles Lisboa contribuem com redução do estigma da hanseníase

Um dos objetivos do projeto é desmistificar os conceitos que alguns ainda mantêm sobre a hanseníase e acabam se afastando de quem está em tratamento da doença

Foto: Reprodução

Com a proposta de formar cidadãos conscientes, principalmente no cuidado com a própria saúde, o Hospital Aquiles Lisboa (HAL), referência no tratamento de hanseníase no estado, tem realizado cinco projetos sociais que envolvem a população da região Itaqui-Bacanga e moradores da comunidade do Bonfim com o objetivo de sensibilizar sobre a hanseníase.

A unidade, que é vinculada à Secretaria de Estado da Saúde (SES), oferece bem mais do que apenas serviços de saúde para a comunidade. Com o HAL Itinerante, o Cine Comunidade, o Dia D Aquiles Lisboa, a Escola de Costura e a Brinquedoteca, o hospital interage com as crianças e adultos da região e os ensina a como identificar a hanseníase, qual a forma de contágio e o que fazer ao identificar os sinais e sintomas da doença.

Quem conhece a história que envolve o hospital e a região, vê como um momento marcante o ‘Cine Comunidade’, como é o caso da artesã Danule dos Santos, 25 anos. Há dois anos ela traz a filha Francielem Lima da Costa, 4 anos, para participar do projeto e diz que a iniciativa, além de proporcionar momentos de lazer, traz educação em saúde para evitar diversas doenças. “É muito importante ela saber distinguir o que é verdade e o que mentira sobre a hanseníase, até porque o avô dela tem a doença e vai servir para que ela cresça como uma pessoa sem preconceito”, destaca.

Segundo o diretor-administrativo, Raul Fagner Leite da Silva, além dos serviços de saúde, a equipe médica do hospital ajuda a combater o preconceito e informa a população que a doença tem tratamento. Este é o objetivo principal para o nascimento dos projetos sociais do HAL.

“Temos 82 anos de história, mas o estigma sobre a hanseníase ainda existe, está presente na sociedade e, às vezes, no próprio paciente da doença. Essas ações de trazer a comunidade para o HAL, falar de forma clara sobre o que é a hanseníase e a forma de transmissão é como vamos acabar com o preconceito e o estigma existente até hoje sobre a hanseníase. A gente achou necessário ir até as ruas, pois essas pessoas da comunidade servem como porta-voz do que é a doença e o reflexo disso já é visto nas praças, nas rodas de conversas e isso é muito bom, aproxima o hospital da comunidade”, explicou.

Além de possibilitar mais uma opção de lazer e levar educação em saúde às crianças da comunidade, um dos objetivos do projeto Cine Comunidade é desmistificar os conceitos que alguns ainda mantêm sobre a hanseníase, e acabam se afastando de quem está em tratamento da doença.

Na ação desta sexta-feira (25), a garotada se divertiu com as brincadeiras e com o curta-metragem. Para a professora Iris Silva, moradora da região Itaqui-Bacanga, as ações sociais promovidas pelo hospital, alegram os pequenos e ajudam na motivação para que eles possam entender e aceitar a doença, o tratamento e até levar informação sobre a hanseníase de maneira mais leve e descontraída.

“O Hospital Aquiles Lisboa tem muitos projetos lindos e nós da comunidade do Bonfim somos muito gratos por estas ações voluntárias que nossas crianças e adultos recebem do hospital. O cinema é só mais uma forma de ajudar e informar a comunidade, porque todos que participam acabam levando a informação para toda a vizinhança e até para outros bairros. Com isso, muitas pessoas conseguem se tratar e evitar as mutilações”, afirmou.

Após o término da sessão da animação ‘Que manchinha é essa?’, a psicóloga e coordenadora do projeto, Rosa Rocha, explicou de forma descontraída ‘o que é hanseníase’, ‘quais os cuidados devem ser adquiridos para evitar a doença’ e ‘porque não se deve ter preconceito com o paciente que está em tratamento’.

“O Cine Comunidade leva informação, faz dessa criança um multiplicador. Hoje, nós estamos trabalhando para desmistificar o que é a hanseníase. Os sinais e os sintomas continuam os mesmos, mas ainda está impregnado na comunidade essa questão do modelo antigo da doença. Trabalhamos de forma lúdica apresentando mitos e verdades sobre a hanseníase, e essa criança leva a informação correta para o meio em que vive”, destacou Rosa Rocha.

Serviços oferecidos

O HAL oferece todo tratamento de hanseníase, como internação, reabilitação, serviço de psicologia, fonoaudiologia, terapia ocupacional e fisioterapia. A unidade também possui outras especialidades, como ortopedia, neurologia, reumatologia, clínica geral e pediatria.

A unidade de saúde atende, também, pacientes que necessitam de reabilitação devido a traumas adquiridos em acidentes. Os investimentos garantidos pelo Governo do Maranhão para a unidade permitem que a equipe multidisciplinar realize um tratamento muito mais humanizado com incursões dentro da sociedade para mostrar que hanseníase tem tratamento e cura.

Carregando