Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

60 cisternas primeira água são entregues em Serrano do Maranhão e Cururupu

O programa Cisternas (Primeira e Segunda Água) consiste em socializar tecnologia de baixo custo, garantindo acesso a água para famílias rurais

Foto: Reprodução

O Governo do Maranhão entregou 60 cisternas do programa Primeira Água para os municípios de Serrano do Maranhão e Cururupu. A entrega ocorreu na última quinta-feira (31) e foi realizada através do Sistema de Agricultura Familiar, que é formado pela Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF) junto com a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp) e com o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma).

A equipe liderada pelos secretários estaduais Júlio Mendonça (Agricultura Familiar) e Gerson Pinheiro (Igualdade Racial) esteve presente nas comunidades quilombolas Deus Bem Sabe, que integra o Programa Maranhão Quilombola, localizada em Serrano, assim como na comunidade Rumo Santa Maria, em Cururupu, ambas beneficiadas com a entrega do Primeira Água.

O programa Cisternas (Primeira e Segunda Água) consiste em socializar tecnologia de baixo custo, garantindo acesso a água para famílias rurais. No total, foram investidos R$ 400 mil nas instalações realizadas nos dois municípios, com 38 cisternas de consumo, capazes de armazenar 16 mil litros de água da chuva, captadas por calhas instaladas ao lado das casas. Além de mais 22 cisternas escolares, que asseguram até 52 mil litros de água potável para alunos e professores, proporcionando autonomia e melhores condições de ensino para a comunidade escolar.

O secretário da Agricultura Familiar, Júlio Mendonça, destacou o papel do governo no intuito de garantir recursos hídricos para a população rural de baixa renda. “O programa Cisternas tem por objetivo primordial levar água a quem precisa. Contemplamos quase 100 famílias em Serrano e Cururupu com essa tecnologia simples, mas de eficácia social elevada, incorporando neste processo a assistência técnica, com apoio da Agerp, assim como o processo de regularização fundiária, realizado pelo Iterma, equacionando os problemas básicos e crucias de acesso à água para essas famílias”, frisou.

Carregando