Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Maranhão avança na garantia de acesso à água para populações rurais

Neste dia 22, é celebrado o Dia Mundial da Água

(Foto: Divulgação)

Neste dia 22, é celebrado o Dia Mundial da Água. Segundo o último relatório mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos, divulgado na segunda-feira (18), mais de dois bilhões de pessoas no mundo não têm acesso à água potável e saneamento básico. Um dado preocupante que, no Maranhão, busca ser contornado com políticas de acesso a água.

São ações que tem sido executadas, principalmente, nas zonas rurais dos municípios, pois são os que mais sofreram ao longo dos anos com a falta de políticas públicas para o desenvolvimento e humano. O Sistema da Agricultura Familiar – formado pela Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF), Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural (Agerp) e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma) – vem executando projetos que garantem água de qualidade e combate à pobreza no campo, socializando tecnologias sociais que garantem a soberania dos homens e mulheres de comunidades rurais.

Em parceria com o Ministério da Cidadania – Secretaria Especial do Desenvolvimento Social, o Sistema da Agricultura Familiar executa o programa Cisternas – Primeira e Segunda Água, que tem como objetivo a promoção do acesso à água para o consumo humano e produção de alimentos. Até 2020, serão construídas 6.285 tecnologias em 164 municípios.

Até o momento, já foram implantadas 1.359 cisternas dos tipos telhadão multiuso com capacidade de armazenamento de 25 mil litros, cisternas de placas familiar de 16 mil litros, cisternas escolares de 52 mil litros e barreiro trincheira familiar de 500 mil litros. Mais de 19 mil pessoas, entre agricultores familiares, comunidades tradicionais, indígenas e estudantes e população das zonas rurais têm sido beneficiados por estes projetos que asseguram água de qualidade.

Por meio destas cisternas, as águas pluviais são coletadas do telhadão por meio de calhas e armazenadas em cisternas, que constitui um reservatório cilindro e coberto. Nas cisternas escolares, a água é destinada para o consumo dos alunos, professores e, ainda, preparo da alimentação escolar.

O secretário de Estado da Agricultura Familiar, Júlio César Mendonça, destacou o papel desempenhando pelo Governo no intuito de garantir recursos hídricos para a população rural de baixa renda. “Os programas que desenvolvemos têm por objetivo primordial levar água a quem não tinha. Contemplamos centenas de famílias com tecnologias simples, mas de eficácia social elevada, incorporando neste processo a assistência técnica, com apoio da Agerp, assim como o processo de regularização fundiária, realizado pelo Iterma, equacionando os problemas básicos e crucias de acesso à água para essas famílias”, disse.

“Neste dia da água, nos sentimos orgulhosos em saber que estamos trilhando e realizando ações que visam a soberania e bem estar social do povo do Maranhão”, frisou Júlio Mendonça.

Além da tecnologia do programa Cisternas, a Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF) está construindo 78 Sistemas Simplificados de Abastecimento de Água, que beneficiarão milhares de famílias em 38 municípios. Os SSAAs são compostos por poços tubulares, reservatórios com capacidade de armazenamento de 15 mil litros e ligações domiciliares, levando água de qualidade para centenas de famílias do Maranhão.

O Governo do Estado já realizou a entrega de 19 Sistemas de Abastecimento de Água beneficiando mais de 800 famílias, como dona Maria José, que mora há 27 anos no povoado Jabuti, em Duque Bacelar, que recebeu um sistema e já tem água encanada em casa e de qualidade para consumo.

“Antes, a gente tinha que puxar água de poço. Nossa vida era difícil, tínhamos que andar 3km para buscar água, ou então, lavar roupa na nascente de um rio. Agora é só sossego e estou muito feliz com esse sonho realizado”, disse a moradora.

Para o superintendente de Reordenamento Agrário da SAF, Pedro Bello, os avanços do Maranhão na questão da água são significativos.“O Maranhão tem feito um trabalho inverso até de muitos estados brasileiros, está investindo em políticas de acesso à água, tanto que a Secretaria tem um departamento exclusivo para tratar de águas, pois entendemos a necessidade que o estado precisa garantir o direito das pessoas de terem água potável”.

“São muitos avanços que temos conseguido por meio de programas e projetos impactando a vida de milhares maranhenses, mais que uma política, estamos levando dignidade”, ressaltou Pedro Bello.

Outro projeto desenvolvido pelo Estado para garantir água de qualidade às populações do campo é o Programa Água Doce, em parceria com o Ministério do Meio Ambiente, que visa a dessalinização da água.

O sistema de dessalinização dispõe de tecnologia com sistema de osmose inversa, que é o filtro mais potente que tem hoje no mundo. Ou seja, ele não só irá retirar o sal da água, mas tira também bactérias, vírus, metais pesados e agrotóxicos.

O Programa vai abranger os municípios de Itapecuru, Pirapemas, Água Doce do Maranhão, Araioses, Primeira Cruz, Chapadinha, Codó, Timbiras, Coroatá, Caxias, São João do Sóter, Aldeias Altas, Buriti, Vargem Grande, Tutóia, Santa Quitéria, Duque Bacelar, Afonso Cunha, Timon e Loreto. O público alvo são agricultores familiares, comunidades quilombolas e assentados de programas dos Governos Estadual e Federal.Dos vinte municípios contemplados, seis estão entre os municípios do Plano Mais IDH.

Com a execução do Água Doce, 9.500 pessoas serão beneficiadas. “O Água Doce está presente nos nove estados do Nordeste e em Minas Gerais. Todos precisam assumir sua parte, a comunidade, o Município, o Estado e o Governo Federal”, disse o secretário Júlio César Mendonça.

“A gestão precisa ser compartilhada, esse fator é determinante para o sucesso do Programa, e dessa forma, nós estaremos oferecendo à população uma água de ótima qualidade e isso tem um impacto grande na saúde das pessoas”, enfatizou Júlio César.

Carregando