Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Comédia ‘O Desejo de Catirina’ inicia nova temporada dia 30, no Teatro Alcione Nazareth

Peça ‘O Desejo de Catirina’ será reapresentada nos dias 30 e 31 de julho e 1º de agosto/19, no Teatro Alcione Nazareth, em São Luís/MA

A comédia mais divertida do São João do Maranhão está de volta. (Foto: Divulgação)

O bom humor da divertida comédia ‘O Desejo de Catirina’ está de volta aos palcos maranhenses. Com a apresentação de Uimar Júnior, a partir de livre adaptação do texto do escritor Wilson Chagas, a comédia ‘O Desejo de Catirina’ será reapresentada nos dias 30 e 31 de julho e 1º de agosto/19, às 19h, no Teatro: Alcione Nazaré do Centro de Criatividade Odilo Costa, filho, na Praia Grande, em São Luís/MA. Ingressos no local.

Com direção de Uimar Júnior e Tony Costa, o espetáculo é baseado na história tragicômica mais popular dos folguedos maranhenses: O Auto do Bumba meu Boi. No elenco, Júlio Fernandes (ator convidado), Tony Costa, Danilo Barnu, Tony Ferraz, Cristina Gomes e Uimar Júnior. A peça tem apoio da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secult), Joana Bittencourt, José Alencar, Boi da Floresta, Boi de Santa Fé, Jeísa Moraes, Júnior Gravadora e Boi de Palha. O figurino é de Jeisa Moraes, cenários, adereços e sonoplastia de Uimar Júnior e iluminação de Tony Costa. Imperdível!

Saiba mais:

Conta a lenda que no mês de junho, a negra Catirina, grávida, de madrugada, sente um desejo muito estranho e arriscoso: o desejo de comer “um cozido de língua de boi”. Só que não era um cozido de língua de um boi qualquer. Tinha que ser a língua do boi “Mimoso”, o boizinho mais querido da fazenda e que, além de garboso e malhado, sabia dançar.

O coitado do “Nêgo Chico” ainda tenta de todas as formas dissuadir sua amada, sugerindo-lhe outras “iguarias” típicas de mulher grávida e desejosa. Porém, não teve jeito nem conversa. Catirina faz um drama e não restou senão ao Chico, pesar e medir entre o delito e o amor, roubar o boizinho Mimoso e tirar-lhe a língua para a sua “Catitinha”. Dá-se a tragédia. Entretanto, aproxima-se o dia dos festejos juninos e, durante os preparativos, o dono da fazenda manda buscar o seu boizinho de estimação e prepara-lo pra dançar para os convidados e descobre através de seus vaqueiros que o Mimoso sumiu e, pior: MORREU.

Entre desmaios e desmandos, choro e alvoroço, o Patrão inconformado, manda os vaqueiros irem à descoberta de quem havia cometido tamanho crime. Os mandados retornam com a notícia de que haviam encontrado os restos mortais do Mimoso “lá pras bandas da casa do Nego Chico”.

Ante a denúncia, o Patrão manda trazer o “dito cujo” já preso e amarrado para pagar por tamanha desfeita. Chegam os vaqueiros com o “Nego Chico” amarrado e que, depois de açoitado pelo chicote do Patrão, confessa o “crime de amor”.

Contudo, Chico pede uma chance para tentar reparar o dano. O Patrão consente e Chico vai em busca do Cazumbá e implora ao espírito da floresta que ressuscite o Boi Mimoso. O Cazumbá faz uma dança-ritual e o boizinho começa a dançar. Então tudo termina em festa. Mas… aí… vem a comédia que só assistindo pra saber!

 

 

Carregando