Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Inaugurado horto de plantas medicinais do Programa Farmácia Viva em Itapecuru-Mirim

Em Itapecuru, 320 pessoas foram capacitadas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) sobre a manipulação e uso das plantas medicinais

Foto: Reprodução

A população de Itapecuru-Mirim tem, agora, acesso seguro a plantas medicinais e orientação para o uso racional de seus derivados. O município inaugurou, nesta sexta-feira (19), um horto do Programa Farmácia Viva, do Governo do Estado. Com a entrega, o Maranhão soma 47 hortos, destinados ao cultivo plantas que serão utilizadas no tratamento e prevenção de doenças.

“Por meio do uso correto das plantas medicinais, faremos uma saúde diferenciada. É muito gratificante poder implantar o horto dentro de uma Unidade Básica de Saúde, pois aquilo que os médicos prescreverem e orientarem já poderá ser preparado com as plantas cultivadas no espaço”, disse a coordenadora do Programa Farmácia Viva, Kallyne Bezerra.

Em Itapecuru, 320 pessoas foram capacitadas pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) sobre a manipulação e uso das plantas medicinais, dentre os quais agentes comunitários, estudantes e professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Ifma) e profissionais de saúde do município, como farmacêuticos, nutricionistas e enfermeiros.

O espaço tem a gestão da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), com o apoio das secretarias municipais de Agricultura e de Políticas para a Mulher e de Igualdade Racial (Sepmir).

Horto
O horto em Itapecuru-Mirim trabalha com 20 espécies, indicadas para o tratamento de patologias como diabetes, hipertensão, verminoses, ansiedade, stress e obesidade, doenças de pele, controle do colesterol e triglicerídeo.

São cultivadas mudas de Hortelãzinho, Santa Quitéria, Benerva, Vick, Hortelã, Aguardente, Terramicina, Pílula Contra, Oriza, Manjericão, Capim Limão e Grama Roxa.

O coordenador da Estratégia Saúde da Família da Unidade Básica de Saúde (UBS) de Itapecuru Mirim, Cirlandio Coutinho, salientou o impacto do baixo custo com o uso das plantas medicinais. “A fitoterapia atua de forma complementar ao tratamento convencional. A vantagem disso para a população é, além do baixo custo, que também haverá o compartilhamento de saberes com os pacientes, já que eles também poderão fazer o plantio em suas próprias residências”, comentou.

O Programa Farmácia Viva foi criado em 2016 e é coordenado pela Secretaria de Estado da Saúde. O objetivo é estimular e orientar a população a fazer o uso correto das plantas medicinais, agregando o conhecimento popular respaldado cientificamente à atenção primária à saúde, atendendo a população usuária do SUS.

Carregando