Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Departamento de Feminicídio alcança 100% de elucidação dos casos

No Maranhão, o Departamento de Feminicídio registrou 28 casos entre janeiro e 30 de julho deste ano

Foto: Reprodução

O feminicídio se caracteriza como crime de gênero pelo fato de a vítima ser mulher. Estes casos, no Maranhão, estão sendo combatidos com investimentos em estrutura e na maior especialização das investigações. Uma das medidas foi a implantação do Departamento de Feminicídio, setor ligado à Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), da Polícia Civil. Com a estrutura, a investigação passou a ser direcionada e específica, com equipes destacadas para a prevenção e controle deste crime. O resultado é a elucidação de 100% dos casos registrados com a identificação e prisão de todos os autores.

Segundo o Mapa da Violência, o Brasil é o quinto país do mundo com mais ocorrências de morte violenta de mulheres. A maior parte destes crimes são resultados de desequilíbrio emocional com uso da força e sendo os autores companheiros ou ex-companheiros das vítimas.

No Maranhão, o Departamento de Feminicídio registrou 28 casos, entre janeiro e 30 de julho deste ano. No período as investigações culminaram em 17 prisões. Cinco suspeitos já identificados por crimes no interior do Estado estão foragidos e outros seis recorreram ao suicídio.

A coordenadora do Departamento de Feminicídio, delegada Viviane Fontenele, pontua os avanços fruto dos investimentos para qualificar a investigação e o reflexo no trabalho policial. “Sem dúvidas, o Maranhão está na direção certa uma vez que a gestão estadual prioriza medidas de proteção e apoio à mulher vítima. A reestruturação física, implantação de setores, qualificação de pessoal e condições para especificidade do trabalho investigativo têm reflexo positivo na solução dos casos”, destacou.

O Departamento de Feminicídio foi criado pela Lei 10.700, de 19 de outubro de 2017, que instituiu ainda o 13 de novembro como Dia Estadual de Combate ao Feminicídio. “O objetivo é reforçar a conscientização da sociedade sobre a importância do combate ao feminicídio e fortalecer as medidas protetivas. Contamos ainda com órgãos que trabalham em rede para garantir maior proteção e segurança à mulher”, reforçou a delegada Viviane Fontenele.

O Governo do Estado instalou o Grupo de Trabalho Interinstitucional (GTI) do Feminicídio, organização que reúne membros da Segurança, Justiça e de entidades ligadas à proteção da mulher. O objetivo é criar estratégias de prevenção e repressão dos casos. O GTI pode intervir em investigações, processos e julgamentos de mortes violentas de mulheres com fins a punir adequadamente os responsáveis e garantir reparações às vítimas e familiares.

A rede de assistência agrega a Delegacia da Mulher, o Departamento de Feminicídio; a Coordenadoria das Delegacias de Atendimento e Enfrentamento à Violência contra a Mulher (Codevim), a Patrulha Maria da Penha e a Casa da Mulher Brasileira, além da promoção de ações que possibilitem a autonomia feminina e acesso ao emprego e renda. O trabalho é consoante com as diretrizes da lei 13.104/15 – Lei do Feminicídio, que alterou o Código Penal Brasileiro (CPB), incluindo o feminicídio como qualificador do crime de homicídio e gerando pena maior ao autor.

Carregando