Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

As mentiras do sal rosa que está na moda: nem é tão benéfico nem vem do Himalaia

Atribuem-se a ele propriedades como regular a acidez do organismo e melhorar a saúde cardiovascular

Foto: Reprodução

Ao procurar “sal rosa do Himalaia” no Google, aparecem mais de 300.000 resultados em português. Muitos deles alardeiam os “incríveis benefícios” desse ingrediente. Regular o açúcar no sangue e a acidez do organismo e melhorar a saúde respiratória e cardiovascular são algumas das propriedades atribuídas a ele sem nenhum tipo de aval científico. O que fica claro ao fazer a busca é que um quilo deste sal milagroso custa várias vezes mais que o comum de mesa, que não costuma passar de dois reais por quilo.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda um consumo máximo de 5 gramas de sal por dia, o equivalente a uma colherinha de café (algo que no Brasil mais do que duplicamos). “O problema do sal está na quantidade de sódio que contém”, diz Ramón de Cangas, dietista-nutricionista, doutor em Biologia Molecular e Funcional e membro da Academia Espanhola de Nutrição e Dietética. Esse elemento é associado a diversos problemas de saúde pública, como a hipertensão arterial, os problemas cardiovasculares, os cálculos renais e inclusive o câncer de estômago, segundo a OMS, e o sal rosa do Himalaia não contém menos que o comum: “Ele fornece as mesmas quantidades de sódio que o sal de mesa”, sentencia De Cangas. Portanto, as recomendações da OMS são igualmente aplicáveis a ele.

A diferença é que não é refinado e “contém outros minerais, como o ferro, que lhe dão essa característica cor rosa”, explica De Cangas. Entretanto, “as quantidades não são significativas quanto ao seu impacto para a saúde. Não há evidência científica de que o sal rosa do Himalaia forneça nenhum benefício para a saúde, nem tampouco que haja diferenças significativas entre consumir sal normal e este outro tipo.”

Fica claro: se o que queremos é gastar mais dinheiro em sal porque é rosa, não há problema. Desde que não ultrapassemos a quantidade recomendada pela OMS. Agora, talvez convenha saber que não só ele não tem as propriedades milagrosas que lhe são atribuídas como tampouco é extraído exatamente do Himalaia: provém da mina de Khewra, situada no Paquistão, a alguns quilômetros dos contrafortes dessa cordilheira asiática.

Carregando