Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Volta dos radares móveis deve reduzir acidentes nas BRs que passam pelo Maranhão

Dados da PRF apontam que a alta velocidade é uma das principais causas de acidentes nas rodovias

Na Avenida dos Portugueses, braço da BR-135, barreira eletrônica desativada deixa o trânsito inseguro (Foto: Gilson Ferreira)

Após a decisão do juiz federal substituto da 1ª Vara – SJ/DF, Marcelo Gentil Monteiro, determinando a reativação da fiscalização com uso de radares móveis e portáteis, a expectativa nas rodovias federais é que os acidentes sejam reduzidos.

A medida suspende o despacho publicado no dia 15 de agosto, no Diário Oficial da União (DOU), pelo presidente Jair Bolsonaro. Na ocasião, o presidente retirou os radares das rodovias com a justificativa de que evitaria o desvirtuamento do caráter pedagógico e a utilização meramente arrecadatória dos instrumentos e equipamentos medidores de velocidade. Segundo ele, os radares móveis não servem como mecanismo de segurança, mas para alimentar a indústria das multas no país.

Diferente do considerado por Jair Bolsonaro, dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF) mostram sim uma redução de acidentes com a utilização dos equipamentos eletrônicos. Conforme dados fornecidos pela PRF, eles foram responsáveis pela diminuição de 59% no número de acidentes e em 36% nas mortes nas estradas federais entre 2014 e 2018.

No Maranhão, também conforme a PRF, o excesso de velocidade é uma das principais causas de acidentes graves nas rodovias. De 1º de janeiro a 15 de dezembro de 2019, foram registrados 975 acidentes que resultaram em 1074 pessoas feridas e 182 mortas. Somente nos primeiros 15 dias de dezembro, 51 acidentes tiraram a vida de 12 pessoas.

No ano de 2018, 5.589 motoristas foram autuados por excesso de velocidade por meio dos radares portáteis utilizados pela PRF. Com a determinação judicial, os radares estáticos, móveis e portáteis nas rodovias federais, considerados importantes aliados de fiscalização pela PRF, estão passando pelo processo de aferição para que voltem a ser utilizados, mas ainda sem uma data prevista. Também estão sendo adotadas todas as medidas administrativas para concretização da reativação do uso dos equipamentos.

POPULAÇÃO DIVIDIDA

A equipe do Jornal Pequeno conversou com moradores e motoristas que utilizam as rodovias do estado sobre a volta dos radares, e também verificou a situação dos equipamentos de fiscalização eletrônica existentes na BR-135. Uma barreira eletrônica instalada um pouco depois da entrada da Universidade Federal do Maranhão (Ufma) tem servido apenas de enfeite no local. Os moradores da região afirmam que, há muito tempo, o equipamento já está assim.

“Como não funciona, os motoristas acabam não respeitando o limite de velocidade e passam rápido mesmo”, destacou a dona de casa, Maria Ribeiro.

No percurso realizado pela equipe da região do Anjo da Guarda até a entrada de São Luís, no bairro do Tirirical, com a exceção da barreira eletrônica citada anteriormente, os radares fixos e outras barreiras aparentemente estão funcionando normalmente e com as devidas sinalizações de velocidade.

O motorista Pedro Cruz revelou não ser muito fã das fiscalizações e julga um pouco exagerada as multas impostas. Ele é contra o retorno dos radares móveis. O pensamento do motorista também é compartilhado pelo motoqueiro José Pereira. “Eles parecem mais interessados em multar do que em garantir nossa segurança”, pontuou Pereira.

Já a dona de um restaurante, localizado em frente uma barreira eletrônica instalada no Km 4, da BR-135, reiterou a importância da fiscalização para a segurança de todos. “É importante para a gente que trabalha e vive na localidade e também para o motorista que utiliza a rodovia com o cuidado que deve”, explicou.

Carregando