Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

A mulher ao longo do tempo: evolução e conquistas

Psicóloga revela principais tormentos da mulher atual e indica que cada uma precisa encontrar a própria verdade para ser feliz

Hoje em dia, já não dá mais para falar que existem profissões “masculinas”. Historicamente, pode ser até que existam ainda cargos majoritariamente ocupados por homens, mas entre eles, é cada vez mais comum a presença feminina, que segue quebrando paradigmas importantes nos mais diversos ambientes. Elas metem a mão na massa, no volante, na direção. São operárias e são líderes também. Isso sem falar dos outros papéis desempenhados por muitas mulheres que amam o trabalho, como o da maternidade, por exemplo.

Claramente, o que se vive hoje é um processo de revolução, que tem marcado sobremaneira a vida de muitas mulheres e, por consequência, de muitas famílias. O momento atual revela o quanto a existência da mulher passou por evoluções históricas, desde as primeiras lutas por igualdade de direitos até a batalha diária pela liberdade de escolha sem julgamentos ou discriminação, de acordo com a psicóloga Celiane Chagas, do Hapvida Saúde.

Segundo a psicóloga do Hapvida Saúde, Celiane Lopes, o momento atual revela o quanto a existência da mulher passou por evoluções histórica (Foto: Divulgação)

 A especialista comenta que as convenções do início do século ditavam e apontavam a figura masculina como a responsável pela provisão do lar. A mulher não precisava e não deveria ganhar dinheiro, já que essa era a tarefa dos maridos; basicamente, a função feminina era a procriação, a manutenção do lar e a educação dos filhos, numa época em que o principal valor para o trabalho era a força física.

Com o passar do tempo, porém, novos instrumentos nas revoluções industriais e tecnológicas foram criados e desenvolvidos, o que tornou aquele valor baseado em força física obsoleto para muitos processos. Embora tenha conquistado o direito de trabalhar, a posição da mulher no mercado de trabalho, primordialmente, era de inferioridade, sempre destinada a ser um apêndice do homem, jamais semelhante. “Foi a partir da década de 1970 que as conquistas começaram a se tornar realmente relevantes e, aos poucos, as mulheres foram conquistando cada vez mais espaço fora dos lares. Porém, o fato é que a participação da mulher nesse cenário começou há relativamente pouco tempo e isso gera um reflexo muito grande na nossa sociedade atual”, enfatiza Lopes.

Foi vivenciando diferentes desafios, como dormir no chão, mirar no alvo para atirar sem medo e até mesmo experimentar os efeitos do gás lacrimogênio, que a vigilante Haldania Rodrigues, de 38 anos, que trabalha fazendo a segurança do Rio Anil Shopping, conquistou o respeito dentro da profissão e se tornou a mulher que hoje ela é, cheia de orgulho pelas lutas e vitórias diárias. “Antes, a mulher não tinha vez, mas hoje percebo o avanço do empoderamento feminino! Já coordenei uma equipe com 12 homens e vivi tudo isso, portanto, não aceito essa história de sexo frágil? Pelo contrário, somos fortes e valentes, cheias de vida, cuidamos do trabalho, da casa, dos filhos. Somos mulheres, somos polivalentes!”, ressalta a vigilante.

Foi vivenciando diferentes desafios que a vigilante Haldania Rodrigues conquistou respeito dentro da profissão (Foto: Divulgação)

Outro exemplo de coragem e determinação é do da jovem empreendedora, proprietária da Ótica Diniz unidade Rio Anil Shopping, Thays Mascarenhas, de 28 anos. Ela conta que o caminho não foi fácil para chegar aonde chegou. De adolescente com talento musical nos palcos da vida à empreendedora de sucesso. A trajetória profissional sempre foi marcada pelo desejo de ser independente e pela confiança no próprio potencial. “Quando comecei a ganhar meu próprio dinheiro, com o incentivo da minha mãe, despertei para o desejo de empreender e de superar os desafios da vida como mulher. Passei por outras atividades profissionais até conquistar o meu próprio negócio. O caminho não é fácil, mas o importante é acreditar”, afirma entusiasmada.

Coragem e determinação definem a jovem empreendedora e empresária, Thays Mascarenhas, de 28 anos.

Profissão: mãe

Para muitas mulheres, um dos temas que mais as atormentem diz respeito ao desejo de ser mãe. Com um mercado de trabalho exigente, diversas mulheres costumam entrar em um processo doloroso de escolha. “Ser mãe é ser única para o ser humano que chega ao mundo. É por isso mesmo que muitas mulheres não desejam ser mãe até se realizarem profissionalmente. O importante é que cada mulher possa fazer um exercício de autoconhecimento, com ajuda psicoterápica de preferência, para encontrar a própria verdade. Ao se tornar mãe, a mulher não deve se anular, mas deverá equilibrar mais papéis, uma vez que é responsável pela vida de uma criança. Cada indivíduo tem a sua verdade, a missão que nasceu para executar. A minha sugestão é que essa verdade seja vivida com foco na felicidade, senão a fatura vai chegar e muita gente pode sofrer com isso a longo prazo”, indica a psicóloga Celiane Chagas.

Mãe, esteio, sustento, fortaleza, inspiração. A servente de limpeza Valmira Muniz, 40 anos, conhece as dificuldades de ser a única responsável dentro de casa pela manutenção do lar e pela educação dos filhos, mas encontra inspiração para seguir adiante sempre que recorda da própria missão no mundo. “Para mim, ser mulher é ter diferentes papéis, é ser uma guerreira, com lutas e conquistas diárias. Mesmo diante das dificuldades enfrentadas, não me desanimo. Levo a alegria por onde passo, pois o amor é minha principal fonte de vida. Sou  feliz com o meu trabalho e vivo meus valores com simplicidade no meu lar e na minha família.”

Mãe, esteio, sustento, fortaleza, inspiração, assim é a servente de limpeza Valmira Muniz (Foto: Divulgação)

Carregando