Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Onze teses urgentes para uma pedagogia do contra-isolamento

Se a Covid-19 tivesse sido desencadeado 20 anos atrás, nos encontraria sem plataformas, sem redes sociais, sem vídeos sob demanda, sem streaming ou videochamadas e com uma web ainda acordando

Foto: Reprodução

1 – Os ensinamentos da COVID-19

Se o mesmo vírus tivesse sido desencadeado 20 anos atrás, e sabemos que 20 anos não é nada, o COVID-19 nos encontraria em quarentena com rádio, TV a cabo, conexões à Internet principalmente por telefone (para a minoria conectada) e telefones celulares com tampinha. Sem plataformas, sem redes sociais, sem vídeos sob demanda, sem streaming ou videochamadas e com uma web ainda acordando.

O que teríamos feito em 1999 com a educação escolar? Como em situações semelhantes (terremotos, epidemias, guerras, inundações), certamente teríamos assumido a perda de avançar para planejar o retorno às escolas.

A cultura digital, as redes e as telas nos incentivam a pensar que desta vez vamos perder menos ou não vamos perder diretamente. E em virtude do culto ao imediatismo, rapidamente nos propusemos a fornecer soluções imediatas para continuar a educação. E aqui nada aconteceu.

No entanto, a abordagem ganha/perde nesse caso não é apropriada. É necessário refletir, pesar as mudanças e novas situações para entender de onde viemos e quais são as perspectivas diante do isolamento e do presente e futuro da educação.

Portanto, é necessário projetar uma pedagogia do contra-isolamento

2. Pedagogia é o oposto de isolamento

A pedagogia moderna é uma disciplina que surgiu há quatro séculos para tentar educar o maior número possível de crianças e jovens da melhor maneira possível: a escola era o meio ideal para realizar ambos os objetivos. O olhar pansophiano, do qual sentimo-nos tributários, postulou que todo conhecimento humano deveria ser para todos os seres humanos.

A pedagogia, portanto, é o oposto do isolamento. Suas ferramentas são baseadas no encontro entre educadores e alunos em um ambiente escolar que transforma esse vínculo em um fato único e intransferível. Um encontro articulado em torno do conhecimento. Uma profunda experiência no intelectual, no emocional e no corpo. Um compartilhamento que, embora às vezes deixe traços lamentáveis ​​e hostis, aparece como uma singularidade insubstituível.

3. A casa é o oposto da escola

Uma escola é muito diferente de uma casa ou família. Uma escola é uma organização complexa, liderada por educadores especializados que ganham a vida com esse trabalho. Uma área que deve ser atendida em dias e horas socialmente prescritos e para aprender um conjunto de conhecimentos comuns a toda a população. As escolas são regulamentadas – e na maioria das vezes financiadas – pelo estado.

Pelo contrário, casas não tem nada a ver com escolas. Não apenas pelo tamanho, pela amplitude dos ambientes e pela disposição dos móveis e das pessoas, mas também porque os relacionamentos entre seus membros formam um vínculo emocional ou primário de longo prazo, e ninguém se especializa profissionalmente ou recebe um salário por integrá-lo. As sociedades democráticas não procuram padronizar as famílias e a intervenção do Estado ocorre apenas em situações extremas em tanto as escolas pertencem ao público, ao comum, ao que se une como comunidade.

Sair de casa para frequentar a escola significa mais do que o deslocamento físico agora proibido pela quarentena: está indo do íntimo para o público; do diferenciado ao comum; do indivíduo para todos.

Ao mesmo tempo, o confinamento obrigatório expõe de maneira grosseira aspectos anteriormente naturalizados das escolas, como as funções de cuidado e alimentação: a escola é uma casa na qual muitos procuram materiais de vida essenciais que sua casa não fornece. Cuidado, controle, carinho e comida também são típicos da escola.

4. É inútil fingir normalidade diante do confinamento

Diante do fechamento, nossa resposta inicial foi performativa e eficiente. O espanto inicial manifestou-se em hiperatividade e resultou em exaustão. Queríamos dar naturalidade a uma normalidade instável, sem considerar que estamos diante de um cenário de emergência, que constitui uma interrupção em si.

Ninguém estava preparado para uma mudança tão abrupta, não apenas pela falta de capacidade tecnológica na maioria das escolas e lares, mas também porque quase todos os pais não escolheram voluntariamente se preparar para ensinar seus filhos. E, além disso, porque a imagem de uma “casa” na qual existem recursos materiais e culturais para educar as crianças como se fosse uma escola, corresponde apenas a uma parcela mínima da população mundial.

Aprender em casa não é um espelho do aprendizado na sala de aula. Nem mesmo um espelho quebrado. É outra experiência radicalmente diferente.

5. O isolamento aprofunda as desigualdades que as escolas não conseguiram resolver

A escola é a tecnologia de distribuição do conhecimento com o maior potencial na história da humanidade. Graças a isso, a população que, por milênios, foi excluída do conhecimento, conseguiu acessar a palavra escrita e, por meio dela, ler o mundo e interpretá-lo cientificamente.

Embora reconhecendo suas enormes realizações, a escola não conseguia atingir a todos. Até mesmo quando houve acesso ao conhecimento, não desapareceram os processos mais amplos de segregação e desigualdade.

Com a falta de escolaridade como resultado do isolamento, essas desigualdades não desaparecem: elas se aprofundam e se tornam visíveis. De fato, os dados disponíveis mostram que, devido à falta de conexão à Internet e dispositivos adequados, a grande maioria dos estudantes no mundo não pode “virtualizar”. E que aqueles que têm conectividade dificilmente podem receber informações de seus professores por telefone celular com muito pouca margem para interagir. Se não fosse por smartphones, muitos de nós estaríamos em 1999.

Por outro lado, embora vários recursos para a educação a distância estejam disponíveis gratuitamente, as condições socioeconômicas reforçam as diferenças existentes: para a maioria, elas são tão livres quanto inatingíveis. Por fim, os próprios efeitos econômicos do isolamento social prejudicam crianças e adolescentes dos setores sociais mais vulneráveis ​​que aumentam seus déficits de saúde e alimentação e, com eles, diminui a possibilidade de aprender mais e melhor.

A distribuição social da tecnologia será injusta se as torneiras da rede não forem ativadas para ensinar e aprender. E nessa situação, o que foi negado anteriormente ficará claro: não são os alunos que abandonam a escola, mas a escola que sai, quando não lhes damos uma alternativa realista.

6. O teletrabalho do professor não está mudando a escola para a casa do professor

O teletrabalho é a maneira de organizar e realizar trabalhos remotos através do uso de tecnologias da informação e comunicação. Adaptar o trabalho do professor a essa modalidade implica uma profunda transformação: não apenas o meio deve ser mudado, mas também o tipo de educação estruturada, que abandona o frente a frente, organiza-se remotamente e requer modificações pedagógicas e didáticas.

Os modos de aprendizagem à distância/virtual/digital/on-line envolvem mudanças no conteúdo, ritmos e até mesmo os atores envolvidos, sendo por exemplo apoiado por tutores ou conselheiros para assegurar o acompanhamento de cada aluno. Também são propostas cuidadosamente projetadas e planejadas, sistematicamente, com tempo e com certa previsibilidade. O desenho dessas propostas exige um longo processo de preparação e elaboração de materiais específicos (guias didáticos, cronogramas previstos, elaboração de recursos, mensuração dos tempos exigidos por cada tarefa, etc.). Até a função de ensino é geralmente distribuída em diferentes funções (especialista em conteúdo, design instrucional, tutoria virtual etc.) e recebe uma remuneração específica pelo design de suas salas de aula e aulas a distância.

O que o isolamento está ensinando é exatamente o oposto: os professores parecem estar adicionando às suas responsabilidades pela educação as funções necessárias para o trabalho remoto, tudo em um e pelo mesmo preço. Forçar a virtualização rápida e imediata do ensino, portanto, acarreta um alto custo e não é difícil identificar quem está pagando por ele.

Ao contrário de uma abordagem sistemática da educação a distância, é melhor dizer que estamos experimentando um tipo de educação a distância de emergência.

Este é o momento histórico que temos que viver. Nesta fase, devemos agir.

7. A tecnologia ajuda, o solucionismo tecnológico embrutece

O solucionismo tecnológico é a crença de que todos os problemas têm soluções; que todas as soluções são benéficas e que, em geral, são de natureza tecnológica.

O solucionismo se complica quando damos uma resposta, onde há apenas perguntas: A tecnologia resolve os problemas educacionais colocados pelo isolamento? Ou, de qualquer forma, em que situações e em que medida isso ocorre?

A tecnologia da plataforma, a Web e os smartphones, por si sós, não podem recriar a tecnologia da escola em casa.

Por outro lado, às limitações técnicas da passagem para a virtualidade, somam-se as limitações didáticas que pagam um novo capítulo no debate entre os defensores da escola tradicional e os “gurus tecno-fundamentais” que propõem a substituição da tecnologia escolar pela inteligência artificial.

O fascínio tecnológico atrapalha se acreditarmos que, durante o isolamento, obteremos os mesmos resultados que na escola: o pior desse presente é simular a escolaridade onde não há.

E descartando o fascínio, encontraremos um mundo de possibilidades para avançar com ferramentas que promovam a inovação, sem ser prescritivo em seu uso, deixando clara a necessidade de equipar todos os educadores e famílias com dispositivos e conectividade.

8. Construir continuidade educacional por outros meios (e com outros tempos)

A idade do aluno, o nível educacional e o conteúdo a ser ensinado apresentam dificuldades que a escola, à sua maneira, resolveu há dois séculos: salas de aula, horários de aulas, desenhos curriculares, recessos e avaliações, mas sem escolas elas se tornam ilusórias. À medida que a idade dos alunos diminui, os alunos precisam cada vez mais do apoio de um adulto, para que os problemas em casa se tornem mais agudos: quanto menos autonomia, menor a probabilidade de não depender de uma escola (embora isso aconteça com os adolescentes) com outra conotação.

Nesse cenário, manter o cronograma de atividades planejadas para a escola, mas aplicado à situação de confinamento, é uma tarefa que, desde o início, é improvável e é necessária uma dose significativa de dissociação para sustentá-la como se você estivesse em uma escola.

É verdade que alguns professores utilizam plataformas mais complexas e poderão estabelecer um cronograma semelhante ao da escola, desde que as famílias tenham condições econômicas, habitacionais, tecnológicas e culturais para acompanhá-las: é o setor menor e mais rico da população e, talvez, estejam sendo testados cenários futuros promovidos para esses setores no dia seguinte ao fechamento e, mesmo nesses casos, também não há certeza de que o modelo digital funcione como o da escola.

O que podemos fazer é começar adaptando nossas expectativas à nova realidade, permitindo-nos uma maior flexibilidade, selecionando inteligentemente conteúdo, atividades, cuidados, quantidades e qualidades.

9. A prioridade é priorizar e é essencial voltar ao básico

Os tempos de isolamento são diferentes e nos forçam a nos afastarmos do horário escolar e pensarmos no ensino de uma maneira diferente, desde o início: o que vamos fazer e como vamos fazê-lo depois que rejeitarmos a ideia de fazer, fazer e fazer a ser feito?

Priorizar conteúdo e experiências parece menos ambicioso, mas mais realista do que dar continuidade ao que não existe mais. Priorizar significa construir critérios de relevância entre disciplinas, conteúdo e conhecimento, mas também em relação ao vínculo com e entre os alunos. Os critérios de priorização devem ser o fundamento de cada coisa que pretendemos abordar. Tudo, absolutamente tudo, deve ser filtrado por uma pergunta que merece uma resposta serena e consistente nos dias de hoje: Por quê? O educador escolar é um tipo de educador, apenas um tipo possível. Talvez esse exílio forçado nos permita perguntar novamente sobre o significado primordial de tudo o que fazemos.

Talvez o primeiro critério de priorização seja a situação socioemocional de nossos alunos e de nós mesmos: o vínculo e o contexto socioeconômico processados ​​no confinamento não podem ser ignorados e a manutenção da continuidade pedagógica também requer reflexão entre os professores que não pode ser suspenso por isolamento.

Priorizar é o começo da pedagogia do contra-isolamento. É estabelecer sentidos profundos que nos unem através do conhecimento e encontro que, embora remotos e mediados, nos permitem reconstruir a relação pedagógica que perdemos.

10. Construa um projeto flexível, realista e pansophiano

A presença da voz, da escrita e até da imagem na tela, mas sem o corpo presente, sem o olhar do outro, constitui um desafio único no qual os cosméticos de simulação devem dar lugar a um ambiente flexível realista que permite continuar educando em contra-isolamento

Somos órfãos por instruções e perdemos a linha de certezas que mal havia sido delineada em cada escola. E isso não ocorre porque governos, organizações internacionais e especialistas pediram silêncio, mas porque ninguém tem instruções a dar. Mais uma vez, ninguém educou o educador e os educadores precisam projetar para si mesmos

Reconhecer a incerteza é o primeiro passo para evitar cair no ativismo oco ou na angústia da paralisia do que não pode ser feito. Não é fácil, mas ambos os caminhos levam adultos, crianças e adolescentes ao desfiladeiro mais perverso de uma frustração da qual será difícil se recuperar.

Portanto, é essencial construir um projeto da situação, um diagrama de contingência realista das condições de isolamento, flexível para se adaptar às variações que aparecem e pansophiano para possibilitar uma pedagogia do contra-isolamento para que ainda trancados, possamos manter a possibilidade de abrir aos outros e nos abrir os caminhos da perspectiva da educação.

11. Quando a experiência não é suficiente, você deve pensar no presente

Não há receitas para o novo. Não há poções mágicas. No contra-isolamento, há tudo o que pensar e o que fazer.

Educação é a possibilidade do pensamento.

O pensamento é o vírus que devemos pegar.

Pansophia Project: María Eugenia Arias; Mayra Botta; Delfina Campetella; María Laura Carrasco; Cristina Carriego; Agustina Lenzi; Mariano Narodowski; Emiliano Pereiro y Gustavo Romero

Carregando