Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Após reconstituição, perícia afirma que não houve colisão entre carro do publicitário assassinado e Argo vermelho

Inquérito da morte de Diogo Costa deve estar pronto em dez dias e então será remetido à justiça

Após reconstituição, perícia afirma que não houve colisão entre carro do publicitário assassinado e Argo vermelho (Foto: Divulgação)

Na manhã desta segunda-feira, 29, equipes da Superintendência de Homicídios de Proteção à Pessoa (SHPP) e peritos do Instituto de Criminalística (Icrim) realizaram a reconstituição da morte do publicitário Diogo Adriano Costa Campos, 41. O crime ocorreu na manhã do dia 16, deste mês, na Lagoa da Jansen, após uma briga de trânsito. O autor confesso do homicídio, Raimundo Cláudio Diniz, de 42 anos, se entregou à polícia na última sexta-feira (26).

No local, a primeira parte da reconstituição consistiu em refazer o que ocorreu na hora em que o Argo Vermelho, conduzido por Raimundo Claudio, desce a rua e desvia do carro de Diogo, que saía da garagem do prédio. A cena foi repetida quatro vezes pelos peritos.

Já a segunda parte foi feita mais à frente, e contou com a participação do autor confesso. Ele explicou à perícia toda a dinâmica entre os dois veículos até o disparo fatal contra Diogo, que teria, antes disso, conforme relatado por Raimundo Claudio na SHPP, em depoimento, emparelhado o carro, de onde desceu gesticulando, desferido agressões, e em seguida, aplicado um tapa nos peitos do autor.

“O preso alega que houve uma discussão. Nós estamos pegando a versão dele, fazendo várias medidas e fazer as contas e gráficos necessários, para verificar se essa discussão realmente aconteceu ou é mentirosa. Precisamos da lesão de entrada e saída, da altura da vítima, posição em que o preso diz que estava, o tipo de arma que ele utilizou, entre outras coisas. Com essas informações, podemos nos próximos dias ratificar se houve essa discussão ou se há divergência”, explicou o diretor do Icrim, Robson Mourão, que, também voltou a ressaltar, não ter ocorrido nenhuma colisão entre os veículos e que a arma usada no homicídio não foi localizada.

De acordo com o diretor do Icrim, Robson Mourão, a reconstituição do crime é fundamental para que sejam averiguadas cientificamente as versões apresentadas.

Ainda segundo Robson, o próximo passo será analisar que todos os dados coletados na reconstituição serão confrontados com as imagens e as versões apresentadas por Raimundo Claudio.

“Com esses resultados, vamos ter a informação científica se o suspeito está falando a verdade, se não há veracidade na sua versão ou se tinham outras pessoas na ação criminosa. Essas são versões que ficarão claras e, inclusive, vão ser utilizadas lá na frente pelo judiciário para dizer se o homicídio e qualificado ou não”, garantiu.

O delegado Wang Chao Jen, da SHPP, que preside o caso, informou que o inquérito da morte de Diogo deve estar pronto em dez dias e então será remetido à justiça.

Vestígios encontrados no Argo usado no crime

O Instituto de Criminalística (Icrim) realizou exames para detectar se havia marcas de sangue no interior do Fiat Argo vermelho, indicado pela polícia como o utilizado no crime pelo autor da morte do publicitário.

Em um deles, que verifica se existem vestígios de sangue em substância lavada, foi revelado, nesse primeiro momento, segundo o perito Robson Mourão, possíveis manchas pardo avermelhadas que estariam dentro e no retrovisor esquerdo do veículo.

Vale lembrar que o Fiat Argo foi roubado, na tarde de sábado (13), de um motorista de aplicativo, na descida em frente ao Barramar que dá acesso à Avenida Litorânea. Ele ficou guardado até o dia da morte de Diogo, conforme a polícia, no condomínio em que o suspeito reside, localizado no bairro São Raimundo, até o dia que foi levado para a cidade de Santa Helena, no interior do estado, onde foi vendido.

Relembre o crime

Diogo foi assassinado no final da manhã de terça-feira (16), depois de sair de casa, na Rua Frei Antônio, Edifício San Gabriel, na Lagoa da Jansen. No momento em que saía da garagem, o carro dele quase bate no Argo, cujo condutor desvia, evitando uma colisão. Mais à frente, o publicitário foi assassinado assim que desceu do carro, e o motorista do Argo fugiu no sentido da Ponta da Areia, segundo já apurado pela polícia.

Carregando