Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Vendas no Maranhão crescem 28,9% no mês de junho

É o 4º maior volume de vendas dentre as 27 UFs e a maior taxa registrada no estado desde 2000

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou hoje (12) a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), referente ao mês de junho/2020. A PMC produz indicadores que permitem acompanhar o comportamento conjuntural do comércio varejista no país.

Comércio Varejista

No mês de junho de 2020, em comparação com o mês de maio de 2020, com ajuste sazonal, o índice de volume de vendas do comércio varejista no Brasil teve alta de 8,0%, depois de um avanço na ordem de 14,4% no mês de maio. Esse número do mês de junho/2020 representou o segundo maior percentual de aumento na série histórica iniciada em fevereiro de 2000. Sete das oito atividades econômicas investigadas tiveram alta, com destaque para: livros, jornais, revistas e papelaria (+69,1%), embora num ritmo maior do volume de vendas do que no mês anterior (+10,7%); tecidos, vestuário e calçados (+53,2%), em patamar menos acelerado do que o ocorrido no mês anterior (96,3%); e móveis e eletrodomésticos (+31,0%), em ritmo menor do que o ocorrido no mês anterior (47,4%).

Quando se compara os dados do mês de junho de 2020 aos de junho de 2019, sem ajuste sazonal, depois de três meses consecutivos de retração nessa base comparativa (-1,1%, em março, -17,1%, em abril, -6,4%, em maio) ocorreu um aumento de 0,5%. No acumulado do ano (jan./20 a jun./20), comparação que é feita com igual período do ano anterior, o índice é negativo na ordem de 3,1%. É o terceiro mês consecutivo com recuo no volume de vendas nessa base de comparação temporal. No acumulado de 12 meses, findo em junho de 2020 (julho de 2019 a junho de 2020 cotejado com julho de 2018 a junho de 2019), o índice de volume de vendas foi de 0,1%.

Em relação ao Maranhão, destaca-se que, em junho de 2020, frente a maio/2020, com ajuste sazonal, o índice de volume de vendas ficou na casa de 28,9%. Foi o 4º maior volume de vendas dentre as 27 Unidades da Federação (UFs), sendo superado pelo PA (+39,1%), AM (+35,5%) e CE (+29,3%). Três UFs tiveram redução no volume de vendas nessa base de comparação temporal, a saber: MT (-2,0%), PB (-2,4%) e RS (-9,0%). No caso do Maranhão, foi a maior taxa de volume de vendas na série histórica iniciada em fevereiro de 2000. Já são dois meses consecutivos de elevação no volume de vendas no Maranhão, depois de três meses de queda: fevereiro (-0,6%), março (-5,7%) e abril (-12,9%).

Em relação ao mesmo mês do ano de 2019, no Maranhão, em junho/2020, sem ajuste sazonal, foi detectado avanço no volume de vendas de 14,3%. Isso aconteceu depois de três meses de recuo nessa base de comparação temporal, conforme tabela abaixo:

Na base comparativa no ano, isto é, o volume de vendas de janeiro a junho de 2020 em relação ao mesmo período de 2019, o Maranhão apresentou uma queda de 3,0%. O aumento no volume de vendas do mês de junho, em comparação ao mês imediatamente anterior, que foi na ordem de 28,9%, bem como o número positivo na base comparativa jun.20 com jun.19, na casa de 14,3%, acabaram por reduzir o recuo no volume de vendas na base temporal em que se leva em consideração o 1º semestre de 2020 cotejado com o 1º semestre de 2019. Até maio de 2020, o acumulado no ano era de -6,4%.

Quanto ao acumulado nos últimos 12 meses (julho de 2019 a junho de 2020 cotejado com julho de 2018 a junho de 2019), o índice de volume de vendas no Maranhão retraiu 1,2%. No mês findo em maio de 2020, o acumulado dos últimos 12 meses estava em 2,6%. O gráfico abaixo ilustra o comportamento do volume de vendas acumulado para cada um dos doze últimos meses.

Carregando