Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Moderna prepara lançamento global de vacina da Covid-19

Companhia recebeu um investimento de 1,1 bilhão de dólares de vários governos no mundo todo para desenvolver imunização

Foto: Reprodução

A biofarmacêutica americana Moderna anunciou nesta quinta-feira, 29, que está preparando o lançamento global de sua vacina contra o novo coronavírus depois de receber um investimento de 1,1 bilhão de dólares de vários governos no mundo todo.

“Estamos preparando ativamente o lançamento da mRNA-1273 e assinamos um número de contratos com governos no mundo. Estamos comprometidos com a qualidade dos dados e uma pesquisa científica rigorosa enquanto continuamos a trabalhar com reguladores para avançarmos na vacina”, afirmou o CEO da companhia, Stephane Bancel, em um comunicado para a imprensa.

Na semana passada, a empresa atingiu a marca de 30 mil voluntários para a fase três de testes da imunização. De acordo com a companhia, 25.650 indivíduos já receberam as duas doses da proteção e resultados sobre ela devem ser divulgados no final de novembro e uma aprovação para uso emergencial deve ser protocolada no Food and Drug Administration (FDA, na sigla em inglês, órgão análogo à Anvisa) em dezembro “se todas as estrelas se alinharem”.

Quem terá prioridade para tomar a vacina?
Nenhuma vacina contra a Covid-19 foi aprovada ainda, mas os países estão correndo para entender melhor qual será a ordem de prioridade para a população uma vez que a proteção chegar ao mercado. Um grupo de especialistas nos Estados Unidos, por exemplo, divulgou em setembro uma lista de recomendações que podem dar uma luz a como deve acontecer a campanha de vacinação.

Segundo o relatório dos especialistas americanos (ainda em rascunho), na primeira fase deverão ser vacinados profissionais de alto risco na área da saúde, socorristas, depois pessoas de todas as idades com problemas prévios de saúde e condições que as coloquem em alto risco e idosos que morem em locais lotados.

Na segunda fase, a vacinação deve ocorrer em trabalhadores essenciais com alto risco de exposição à doença, professores e demais profissionais da área de educação, pessoas com doenças prévias de risco médio, adultos mais velhos não inclusos na primeira fase, pessoas em situação de rua que passam as noites em abrigos, indivíduos em prisões e profissionais que atuam nas áreas.

A terceira fase deve ter como foco jovens, crianças e trabalhadores essenciais que não foram incluídos nas duas primeiras. É somente na quarta e última fase que toda a população será vacinada.

Quão eficaz uma vacina precisa ser?
Segundo uma pesquisa publicada no jornal científico American Journal of Preventive Medicine uma vacina precisa ter 80% de eficácia para colocar um ponto final à pandemia. Para evitar que outras aconteçam, a prevenção precisa ser 70% eficaz.

Uma vacina com uma taxa de eficácia menor, de 60% a 80% pode, inclusive, reduzir a necessidade por outras medidas para evitar a transmissão do vírus, como o distanciamento social. Mas não é tão simples assim.

Isso porque a eficácia de uma vacina é diretamente proporcional à quantidade de pessoas que a tomam, ou seja, se 75% da população for vacinada, a proteção precisa ser 70% capaz de prevenir uma infecção para evitar futuras pandemias e 80% eficaz para acabar com o surto de uma doença.

As perspectivas mudam se apenas 60% das pessoas receberem a vacinação, e a eficácia precisa ser de 100% para conseguir acabar com uma pandemia que já estiver acontecendo — como a da covid-19.

Isso indica que a vida pode não voltar ao “normal” assim que, finalmente, uma vacina passar por todas as fases de testes clínicos e for aprovada e pode demorar até que 75% da população mundial esteja vacinada.

Carregando