Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Projeto prevê transformar Foz do Iguaçu em cidade dos cassinos

Iniciativa acontece em um momento de discussões sobre liberação de apostas no país

Foto: Azzedine-Rouichi-Unsplash

O avanço nas discussões sobre a liberação das apostas no país, com a chegada de cassinos e maior legalidade jurídica para plataformas físicas e online, tem movimentado diversas regiões do país. Cidades como São Paulo e Rio de Janeiro já se organizam para ter instalações e atrair o maior investimento possível caso a prática seja liberada pelos órgãos competentes.

Mas há outras cidades, como Foz do Iguaçu, que estão de olho nesse mercado, que movimenta pouco mais de R$ 4 bilhões por ano, segundo dados preliminares do Ministério da Economia e do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento). A ideia é criar uma estrutura capaz de abocanhar parte desse dinheiro, com investimentos em infraestrutura e geração de negócios.

Para que isso seja possível, parlamentares paranaense estão atuando no Congresso Nacional. O deputado federal Vermelho (PSD – PR), integrante da Comissão de Turismo na Câmara, está liderando um grupo de trabalho com propostas para atualizar o Marco Regulatório dos Jogos no Brasil. A ideia é mudar algumas regras e poder assimilar questões inerentes à tecnologia atual, em plataformas como allvideoslots.com.

“Vamos fazer os estudos necessários para adaptar o projeto às novas tecnologias, fazer um substitutivo e agilizar a tramitação para ver se conseguimos aprovar ainda este ano”, disse o deputado recentemente em entrevista ao Portal Foz do Iguaçu.

“Para cidades como Foz do Iguaçu e Gramado (RS), por exemplo, nós pretendemos criar a modalidade de cassinos turísticos com uma grande estrutura para jogos, restaurante e anfiteatro. Iremos aproveitar a excelente infraestrutura hoteleira já existente, gerar mais emprego e desenvolvimento”, enfatiza Vermelho.

O deputado já afirmou que pretende reunir as lideranças da cidade para ouvir as sugestões que ajudarão a embasar os estudos para o substitutivo do projeto. “Queremos ouvir o Comtur, Sindhotéis, Acifi, Codefoz e demais entidades para levar adiante suas aspirações e sugestões”, acrescenta.

Assim como Foz do Iguaçu, outras localidades no país esperam por uma regulamentação dos jogos e apostas no país. Aprimorar o marco regulatório não impacta apenas os cassinos, mas outras práticas, como jogo do bicho, máquina de apostas em estádios, plataformas oline de apostas esportivas, entre outras atividades. “Existe um estudo prévio apontando que a legalização dos jogos no Brasil traria um aumento na arrecadação de mais de R$ 20 bilhões por ano, gerando cerca de 1 milhão de empregos diretos”, resume o parlamentar.

Na última semana, o secretário de turismo de Foz do Iguaçu, Paulo Angeli, tem defendido a transformação da cidade em um pólo turístico que consiga aumentar sua participação no cenário brasileiro. A região, que já é visitada por conta das Cataratas, quer expandir ainda mais o número de atrações para turistas brasileiros e internacionais.

Para isto, o secretário promete, até o fim deste ano, entregar novas atrações. “Teremos a maior roda gigante do Brasil e da América do Sul, localizada próxima ao Marco das Três Fronteiras, e um aquário de água doce, bem na entrada do Parque Nacional”, disse o secretário em um evento recente.

Além disso, o secretário destaca que a cidade já possui 30 mil leitos em hotéis para receber turistas e lembra do já inaugurado parque Movie Cars [parque temático que reúne carros e motos ligados a enredos de filmes], como potencial para aquele turista que não quer só ver a natureza.

“Abriremos também uma nova licitação, no fim do ano, para a concessão da rodovia que dá acesso à cidade a Br-277. Tem um pedágio muito caro, então pretendemos reduzir o valor. Até porque boa parte dos turistas brasileiros que vêm à cidade vêm de carro”, analisou ainda o secretário.

De acordo com Angeli, a liberação do cassinos e a construção de uma estrutura cada vez melhor para apostadores de todos os tipos poderá beneficiar a cidade, em paralelo com outras ações que já estão sendo desenvolvidas. ​​“As estatísticas são muito claras: o turista quer vir a Foz do Iguaçu, então realmente temos de nos preparar. Foz do Iguaçu é a bola da vez”, finaliza.

Carregando