Polícia trabalha com hipótese de que advogado foi morto a mando de facção

A vítima já tinha sido presa em 2015, em São Luís, acusado de transportar droga ilícita em seu veículo

Fonte: Da redação

A Polícia trabalha com a possibilidade de que o advogado Samuel Araújo, cujo corpo foi localizado em uma cova rasa nessa quinta-feira (19), tenha sido morto a mando de uma facção criminosa.

De acordo com o delegado-geral de Polícia Civil, Jair Paiva, as investigações continuam em curso. Neste momento, está sendo
considerada a possibilidade de homicídio encomendado por grupos criminosos, levando em conta as circunstâncias do achado do corpo.
Entretanto, as autoridades também estão examinando outras possíveis motivações.

“Essa é uma das principais linhas de investigação. No momento, o corpo ainda está sendo periciado, mas foi encontrado com mãos e pés
amarrados e também com o rosto coberto”, afirmou Jair Paiva.

Segundo a polícia, em 2015, Samuel foi preso juntamente com Daniel Almeida dos Santos, em uma festa no bairro da Liberdade, em São Luís, após ser encontrada, na residência de Daniel, uma grande quantidade de entorpecente, dinheiro, três motocicletas, uma caminhonete que estava blindada e com um brasão da Polícia Federal.

Conforme a polícia, na festa particular de Daniel, suspeito de participar de uma facção criminosa, foram apreendidas, também, 100 petecas de cocaína. No local, havia mais de 80 pessoas, que foram conduzidas pela equipe policial para averiguação.

Além de Daniel Almeida dos Santos, foram autuados em flagrante a sua esposa, Valdirene Pereira, e Samuel da Silva Araújo, que na época foi acusado de transportar droga ilícita em seu veículo. Ele ficou dois dias preso.