Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

O que os sonhos e os pesadelos dizem sobre a nossa saúde

De acordo com a ciência o ato de sonhar contribui para o fortalecimento da memória

O papel dos sonhos para a saúde não deve ser subestimado. (Foto: © DR)

De acordo com a ciência o ato de sonhar contribui para o fortalecimento da memória e, portanto essas experiências influenciam também diretamente no desenvolvimento da aprendizagem humana.

Segundo o médico Gabriel Pires, pesquisador do Instituto do Sono, em entrevista para a revista Galileu, os sonhos podem ainda ser extremamente eficazes quando se trata de identificar problemas e distúrbios do sono e até doenças mentais, tais como a depressão ou esquizofrenia. Em outras palavras, o especialista afirma que aquilo que o indivíduo se lembra dos seus sonhos, pode facilitar um diagnóstico médico.

“Se uma pessoa se lembra de múltiplos sonhos por noite, todos os dias, pode ser a prova de que tem um sono fragmentado”, explica à Galileu. “Exemplificando, durante a gestação, o sono da mulher é fragmentado por causa dos hormônios ou pelo desconforto físico”. E se dormir mal se torna um evento constante, então a imunidade fica fragilizada, a memória é afetada e aumenta a probabilidade de incidência de depressão, ansiedade e obesidade.

E os pesadelos?

A ciência considera os pesadelos como experiências que desencadeiam ou relembram situações traumáticas que podem contribuir para a ocorrência de distúrbios psicológicos. “Sonhos negativos recorrentes devem ser tratados, pois podem ser casos de ansiedade, depressão ou transtorno de stress pós-traumático”, adverte Pires. “É imperativo tratar os pesadelos da mesma forma que os traumas”.

Carregando