Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Próximo trimestre será o pior período da aviação global

A indústria da aviação está em profunda recessão neste mês e assim será em todo segundo trimestre, no mundo inteiro

Aviões de passageiros da Delta são vistos estacionados devido à redução no número de voos para retardar a propagação da doença por coronavírus (COVID-19) no Aeroporto Internacional de Birmingham, nos EUA — Foto: Elijah Nouvelage/Reuters

A indústria da aviação está em profunda recessão neste mês e assim será em todo segundo trimestre, no mundo inteiro. Com o apelo que a Associação Internacional do Transporte Aéreo (Iata) faz aos governos e bancos de cada país, a recuperação aparecerá no setor e virá forte, mas esses resultados não deverão aparecer antes de 2021. Essas são algumas das conclusões da nova análise publicada pela própria Iata.

A entidade aponta que suas associadas gastarão um acumulado de US$ 61 bilhões de suas reservas de caixa no trimestre que se inicia amanhã e vai até 30 de junho. O cálculo aponta para um prejuízo trimestral líquido de US$ 39 bilhões.

A análise é baseada no impacto lançado pela Iata na semana passada, em um cenário de viagens restritas severamente durante três meses, com queda de US$ 252 bilhões em receita das companhias aéreas em comparação com 2019. Desta maneira, o segundo trimestre é o período com previsões mais sombrias.

“O impacto será severo, conduzido por fatores como: queda de receita em 68%, o que é menos do que os esperados 71% de queda na demanda do setor de cargas. Os custos variáveis também deverão cair, em torno de 70%, no segundo trimestre, em linha com o corte de capacidade, que deve ser de 65% no período. O preço do combustível de aviação também cairá”, aponta o estudo.

“As despesas fixas e semi-fixas representam quase a metade dos custos de uma aérea. Esperamos que as despesas semi-fixas, que incluem os custos com a tripulação, serão reduzidos a um terço. As associadas estão cortando o que podem, enquanto tentam preservar sua força de trabalho e negócios para estarem preparadas para o período de recuperação.”

A análise do diretor geral e CEO da Iata, Alexandre de Juniac, aponta que as companhias aéreas não conseguem cortar seus custos em tempo hábil e se manterem à frente da crise. “Estamos prevendo devastadores US$ 39 bilhões de prejuízo líquido no segundo trimestre”. O impacto disso na queima de caixa será ampliado por um passivo de US$ 35 bilhões para possível reembolso de bilhetes. Sem esse alívio, a posição de caixa no setor pode se deteriorar em US$ 61 bilhões no segundo trimestre”, estima Juniac.

Para a Iata, vários governos estão respondendo positivamente às necessidades da indústria. Colômbia, Estados Unidos, Singapura, China, Nova Zelândia e Noruega estão entre os exemplos positivos de pacotes financeiros ou regulatórios para aliviar os danos à aviação. “Mais recentemente, Brasil, Canadá, Colômbia e Holanda afrouxaram suas regras para permitir que as companhias ofereçam a passageiros crédito para reemissão em vez de reembolsos.”

Carregando