Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Cardiologista do HSD explica impacto do novo coronavírus nas doenças cardiovasculares

De maneira geral, indivíduos com doenças crônicas apresentam deficiência no sistema imunológico.

Foto: Reprodução

Pessoas com doenças cardiovasculares e idosos são mais propensos a desenvolver complicações da Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus. Segundo dados do Colégio Americano de Cardiologia (ACC), em fevereiro de 2020, 40% dos hospitalizados com resultado positivo para essa infecção apresentavam alguma patologia cardiovascular ou cerebrovascular prévia. Além disso, 6,7% dos pacientes manifestaram arritmia e 7,2% uma lesão no miocárdio.

O médico cardiologista do Hospital São Domingos, Dr. Paulo Cézar Dias, explica que os pacientes com doenças cardiovasculares apresentam uma taxa de morbimortalidade maior em relação a quem não tem essa condição clínica, caso sejam acometidos pelo novo coronavírus.

“Ter uma taxa maior de morbimortalidade significa dizer que esses pacientes têm maiores chances de apresentar um agravamento do seu quadro clínico e, em alguns casos, podem ir à óbito. O Sars-CoV-2, vírus que causa a Covid-19, tem se mostrado perigoso para esses pacientes”, esclarece.

De maneira geral, indivíduos com doenças crônicas, como os acometidos por problemas no coração, apresentam deficiência no sistema imunológico. Uma vez infectados pelo novo coronavírus, correm um maior risco de ter complicações sérias em relação a uma pessoa saudável. Por isso, a comunidade científica tem acompanhado atentamente essa parcela da população que compõe o grupo de risco da Covid-19.

Cuidados com os cardiopatas

O cuidado com os pacientes com doenças cardiovasculares é o mesmo para os demais perfis do grupo de risco. Porém, como este é o grupo de pacientes que tem maior chance de desenvolver a forma grave da Covid-19, a prevenção deve ser dobrada. Por isso, é importante atentar para as medidas de prevenção como o isolamento social e a lavagem frequente das coisas mãos.

“Mas, o que é mais importante, é que, caso o paciente tenha dúvidas, pode consultar o seu médico cardiologista, para obter mais informações e esclarecimentos, tanto em relação à Covid-19, como em relação ao uso das suas medicações de uso rotineiro”, finaliza Dr. Paulo Cézar Dias.

Carregando