Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Mulher acusada de matar empresário foge de prisão domiciliar em Balsas

Ela é acusada de sequestrar, matar e ocultar o cadáver do empresário “Chico Paraná”

Suspeita de envolvimento na morte do empresário “Chico Paraná”, Daiane aproveitou para fugir depois de ser beneficiada com saída devido ao novo coronavírus (Foto: Divulgação)

A Polícia Civil de Caxias está à procura de Daiane da Silva Almeida, que fugiu da cidade de Balsas, após ter sido liberada pela justiça para cumprir prisão domiciliar devido às medidas de prevenção ao coronavírus. Ela é acusada de sequestrar, matar e ocultar o cadáver do empresário Francisco Adelino Rech, mais conhecido como “Chico Paraná”, em junho do ano passado.

Daiane saiu do presídio de Balsas sem usar a tornozeleira eletrônica, que estava em falta na unidade prisional. Segundo o delegado regional do município, Fagno Viana, a justiça já expediu um novo mandado de prisão contra ela.

“Já acionamos as polícias do Piauí, Tocantins e também a Polícia Rodoviária Federal (PRF) na tentativa de recapturála. Acreditamos que ela tente encontrar o Wanderson, que é namorado dela, e estava envolvido no crime”, disse.

“Chico Paraná” foi morto com golpes de punhal e requintes de crueldade, dez dias após ter sido sequestrado. O corpo dele só foi encontrado quatro meses depois, na zona rural do município de Riachão.

De acordo com as investigações da polícia, Daiane e o namorado, o mecânico Wanderson Ferreira de Almeida, são os responsáveis pelo crime. O empresário foi mantido em cárcere privado na casa dela, que também teria um relacionamento com ele há dois anos.

Na ocasião, “Chico Paraná” chegou a ligar para a família, pedindo dinheiro para um suposto tratamento de saúde. A dupla ainda conseguiu cerca de R$ 400 mil da vítima, além de realizarem diversas compras em lojas de Balsas com o cartão do empresário.

A Polícia Civil só chegou até o corpo do empresário depois que um terceiro envolvido no crime, Eriosvaldo da Silva, que ficou preso por 30 dias e seria compadre do Wanderson, indicou o local exato.

Carregando