Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Previsto para hoje início da transferência do minério do Stellar Banner para navio libanês

A embarcação do Líbano chegou à capital maranhense no domingo (26), e deve auxiliar no esvaziamento do navio sul-coreano

Stellar Banner está encalhado na costa maranhense (Foto: Gilson Ferreira)

Em virtudes de processos iniciais de segurança da operação e testes preliminares, foi previsto pela Marinha o início, nesta terça-feira (28), do descarregamento de minério de ferro no navio Alfred Oldendorff, que chegou a São Luís por volta das 8h30 de domingo (26). A embarcação é libanesa, veio dos Emirados Árabes Unidos, e auxiliará na retirada da carga contida no navio sul-coreano Stellar Banner, que está encalhado desde o dia 24 de fevereiro, a 100 quilômetros da costa maranhense.

Nessa segunda-feira (27), os porões 2 e 4 do Alfred Oldendorff já estavam prontos para a descarga, e o porão 6 estava sendo preparado. Conforme a ata da reunião realizada ontem, por meio de videoconferência, do Gabinete de Crise, será possível descarregar mais de um porão simultaneamente.

A remoção da carga de minério do Stellar Banner começou a ser feita no dia 16 deste mês. Foram transferidas 3,5 mil toneladas para o batelão LEEUW, e despejadas na área de alijamento n° 4. A balsa Superpesa II, que faria o restante do descarregamento, devido supostamente ter equipamentos velhos, apresentou problema e não teve como realizar a atividade, partindo para o Rio de Janeiro, sendo que ainda está a caminho do estado.

De todo modo, o Alfred Oldendorff já estava a caminho, quando o Superpesa apresentou problema. O trabalho da embarcação libanesa é atracar ao lado do Stellar Banner e transferir o minério de ferro para outras embarcações chamadas de batelões.

O primeiro batelão a ser carregado será o Jan Blanken. Haverá hoje uma substituição do rebocador Aquarius para o Pictor, devido problemas.

OPERAÇÃO

Desde o início do resgate do Stellar Banner, cerca de 255 militares da Marinha atuam diretamente na operação. O órgão trabalha no local com um navio de apoio oceânico “Iguatemi”, um navio hidroceanográfico “Garnie Sampaio”, um helicóptero UH-15 e quatro embarcações da Capitania dos Portos do Maranhão. A operação também conta com um helicóptero He S-76 operado pela Vale, nove rebocadores, três drones com câmera térmica.

Carregando