Fechar
Buscar no Site
O ÓRGÃO DAS MULTIDÕES

Polícia Civil ainda não tem pistas dos suspeitos por duplo homicídio em Timon

Pelo menos cinquenta tiros foram disparados pelo bando no local do crime

Camila Gabriely Lopes Oliveira e Carlos Eduardo dos Santos Valadão foram as vítimas do tiroteio (Foto: Reprodução/Instagram)

A Polícia Civil ainda não tem pistas sobre a identidade dos oito homens que invadiram uma festa, no povoado Piranhas, zona rural de Timon, e cometeram um duplo homicídio, no sábado (1º). Três pessoas também ficaram feridas durante a ação criminosa.

De acordo com o delegado Antônio Valente, que apura o caso, o grupo desceu dos carros, portando revólver e pistolas. Todos estavam encapuzados e não falaram nada no momento do ataque. “Chegaram como se estivessem procurando uma pessoa e,  possivelmente, assim que a visualizavam efetuaram os disparos”, explicou.

O estudante universitário Carlos Eduardo Santos Valadão, de 23 anos; e a assistente social do presídio regional de Timon, Camila Gabriele Lopes Oliveira, 30, foram alvejados e não resistiram. Outras três pessoas foram baleadas, mas não correm risco de morte.

Segundo a polícia, pelo menos cinquenta tiros foram disparados pelo bando no local. Tentando fugir, algumas pessoas se jogaram no rio e foram levadas para um hospital em Teresina. Duas delas permanecem internadas e uma já teve alta médica.

Conforme o delegado, a principal questão agora é saber quem era o alvo dos executores para entender os motivos do crime. Imagens da região estão sendo analisadas e a polícia também tenta identificar as pessoas que estavam no local.

Carregando